Depois de uma temporada em que quase nada correu bem ao Real Madrid, existiam três certezas no Santiago Bernabéu: a próxima época terá de ser praticamente perfeita para recuperar um projeto que parece ter falhado; Zidane é a imagem do futuro com a memória do passado recente que tem como principal função a recuperação da glória europeia; e Sergio Ramos, totalmente indiscutível, continuaria a ser o capitão que é quase mais líder do que jogador. Era esta a base do Real Madrid 2019/20 até aos últimos dias. Altura em que, para incredulidade dos espanhóis e principalmente da estrutura merengue, Sergio Ramos começou a colocar em causa a própria continuidade no clube.

O primeiro sinal foi dado esta quinta-feira, durante o programa El Chiringuito, onde foi avançado que o central espanhol está a estudar uma eventual saída do Real Madrid há cerca de duas semanas. Já durante a manhã desta sexta-feira, o jornal Marca confirmou a notícia e acrescentou que a vontade de Sergio Ramos de deixar a capital espanhola se prende com a relação tensa que o central mantém atualmente com Florentino Pérez. Capitão e presidente tiveram uma discussão acesa depois da eliminação dos merengues aos pés do Ajax nos quartos de final da Liga dos Campeões e nunca reataram propriamente o contacto: Ramos ficou ofendido quando Florentino utilizou a palavra “vergonha” para adjetivar a exibição do Real, Florentino não admitiu quando Ramos lhe garantiu que se ia embora se lhe pagassem o valor respetivo.

Na altura, o central falhou a receção aos holandeses por ter forçado um cartão amarelo em Amesterdão, considerando que a eliminatória com 2-1 fora estava ultrapassada, mas deixou os adeptos ainda mais descontentes quando foram começando a sair as notícias de que, durante o encontro, aproveitou o momento e o seu camarote para gravar mais algumas cenas para o documentário que está a fazer para a Amazon (apesar de ter descido ao balneário no intervalo). Já no final do jogo e confirmada a eliminação, o presidente do clube esperou que todos os jogadores dos merengues chegassem para começar por recriminar o comportamento da equipa durante o jogo, num tom que foi aumentando com o passar dos minutos onde já falou noutros aspetos como falta de dedicação e excesso de dias livres do plantel. Foi nesse momento que Sergio Ramos, capitão de equipa se chegou à frente, apontando o dedo à direção do clube pela época para esquecer do Real Madrid por causa da má planificação que foi feita pelos responsáveis.

A relação entre capitão e presidente já viveu melhores dias

Dois meses e meio depois, as feridas deixadas abertas pela dura discussão em pleno balneário começam a ter as suas consequências. O As garante que Sergio Ramos está desmotivado e desiludido com os sucessivos rumores que surgem nos corredores do clube: o último, segundo o jornal espanhol, indica que o central aproveitou uma lesão para falhar os últimos jogos da temporada para estar mais focado no próprio casamento, a 15 de junho (o jogador vai casar com a jornalista Pilar Rubio, com quem namora há vários anos). Ainda assim, a Marca explica que Pérez terá dado o braço a torcer ao deslocar-se à casa de Ramos há duas semanas, assim que soube das intenções do capitão, para conversar com o jogador, o irmão e o pai. Segundo o desportivo espanhol, a reunião começou a quatro mas acabou a dois, com o internacional espanhol a explicar ao presidente merengue os motivos das suas dúvidas e as duas partes a acordarem tomar uma decisão antes da pré-época.

Apesar da vontade de sair do clube que representa desde 2005, a verdade é que Sergio Ramos tem contrato até 2021 e uma cláusula de rescisão inacreditável que chega aos 800 milhões de euros. Interessados, como não podia deixar de ser, não faltam: com Manchester United à cabeça, que já tentou resgatar o central espanhol em 2015, altura da última renovação, o Liverpool também se inclui no lote de pretendentes e o As garante que Cristiano Ronaldo intercedeu junto da família Agnelli para pedir a contratação de Ramos por parte da Juventus. Por agora, o ainda capitão do Real Madrid está lesionado e de férias e só regressará ao radar público quando integrar a comitiva da seleção espanhola a 2 de junho.