Rádio Observador

Apple

Quatro anos depois, a Apple tem um novo iPod (e vem com realidade aumentada)

Corria 2015 quando a Apple lançou a última geração do iPod. Regressou esta terça-feira com realidade aumentada, comunicações em grupo e um processador que "é duas vezes mais rápido".

O novo iPod touch tem um design e tamanho semelhantes ao das últimas versões

Apple

A Apple anunciou esta terça-feira o novo iPod touch, depois de ter lançado o último modelo em julho de 2015. A nova versão apresenta melhorias no desempenho e armazenamento face às versões anteriores, incluindo ainda ferramentas de realidade aumentada e a opção de fazer chamadas de grupo pela aplicação FaceTime.

Com uma memória de 256GB, o novo iPod touch vem com o processador A10 Fusion, o mesmo que figura no iPhone 7 – o iPhone do mercado menos potente. Apesar de ter sido já três anos, o A10 é mais rápido do que o anterior processador dos iPod, o A8. Com esta atualização, o novo iPod fica”duas vezes mais rápido”, garante Greg Joswiak, vice-presidente de marketing de produto da Apple.

O design super fino e leve do iPod touch tornou-o sempre ideal para desfrutar de jogos, música e muito mais, onde quer que vamos”, diz Joswiak.

A opção de realidade aumentada está disponível no novo iPod em jogos, aplicações de educação e nas pesquisas de internet. A Apple também apostou na melhoria das funções de comunicação. O FaceTime, inédito até então em iPod, permitirá aos utilizadores participarem em conversas de grupo até 32 pessoas. Como comunicar com tanta gente ao mesmo tempo? A Apple diz que o nome da pessoa com quem estamos a falar no momento é ampliado automaticamente no ecrã, para não nos perdermos na conversa. Ao mesmo tempo, será ainda possível enviar mensagens personalizadas para outros aparelhos da Apple.

E quanto vale toda esta tecnologia? Joswiak descreve o novo iPod como “o aparelho com sistema iOS mais acessível” no que toca a preços. Com o iOS 12, o novo Ipod touch apresenta um preço que começa em 249 euros para a versão com memória de 32GB. O modelo de 128GB custa 359 euros euros e a versão de 256GB custa 469 euros. Esta é a maior capacidade de armazenamento de sempre nos iPod: o já descontinuado iPod Classic tinha uma memória de 160GB.

Apesar das melhorias na memória, ferramentas de comunicação e inclusão da realidade virtual, o iPod será em quase tudo o resto semelhante às últimas versões. Em termos de design, as diferenças são quase mínimas. O novo iPod touch tem na mesma o home button, um ecrã de 4 poelgadas e um preço mais baixo do que os iPhone no mercado.

A Apple aproveitou ainda o lançamento do novo produto para promover o Apple Arcade, serviço de subscrição de videojogos da empresa, que foi anunciado em março. A empresa tem apostado neste tipo de serviços e promete aos utilizadores um melhor desempenho em jogos com o novo aparelho. Os gráficos são “mais suaves” e três vezes mais rápidos, face à última versão.

O iPod touch está disponível em cinzento, branco, dourado, azul, rosa e vermelho e já pode ser encomendado em 27 países, incluindo Portugal, anunciou esta terça-feira a Apple.

Apesar de o iPod parecer datado para muitos e uma tecnologia já “nostálgica”, as reduzidas dimensões e preço face aos iPhone ajudam a Apple a manter e atrair novos consumidores. A Apple tem verificado uma quebra na venda do iPhone e Tim Cook, chefe executivo da empresa, aponta o aumento dos preços como a principal causa.

No auge dos iPod, em 2008, a Apple vendeu mais de 55 milhões de unidades, refere o The Verge. Já em 2013, a empresa vendeu pouco mais de 20 milhões. Já não fazem parte do site da Apple e não estão presentes em lojas. Contudo, e como nos mostra a Apple, o iPod pode agora estar de volta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)