Rádio Observador

Tráfico de Droga

Tráfico de Droga. Polícia Judiciária apreendeu 600 quilos de cocaína em veleiro nos Açores

A embarcação era proveniente das Caraíbas e entrou na marina da cidade da Horta na noite de 29 para 30 de maio. Das buscas da PJ resultaram a apreensão de 600 quilos de cocaína e três detenções.

Nas buscas, a PJ contou com o apoio da Polícia Marítima e da Guarda Nacional Republicana

LUÍS FORRA/LUSA

A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu na quinta-feira 600 quilos de cocaína e deteve três homens na sequência de buscas a uma embarcação procedente das Caraíbas, na marina da Horta, ilha do Faial, Açores, foi esta sexta-feira anunciado.

Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) explica que as buscas resultaram de uma investigação internacional, no âmbito do combate ao tráfico de estupefacientes por via marítima, levada a cabo nos últimos dias pelo Departamento de Investigação Criminal de Ponta Delgada (ilha de São Miguel, Açores) e da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes.

Na sequência da investigação, desenvolvida na Região Autónoma dos Açores, foi sinalizado um veleiro, suspeito de transportar elevada quantidade de cocaína. A embarcação em causa, procedente das Caraíbas, entrou na marina da cidade da Horta na noite de 29 para 30 de maio (quarta para quinta-feira), sendo alvo de busca, na quinta-feira, em cumprimento de mandado judicial.

Na execução da busca, a PJ contou com o apoio da Polícia Marítima e da Guarda Nacional Republicana. Os detidos, de nacionalidade estrangeira, vão ser presentes às Autoridades Judiciárias competentes, para primeiro interrogatório e aplicação de medidas de coação.

A investigação contou com o apoio do Maritime Analysis and Operations Centre – Norcotics (MAOC-N), com sede em Lisboa, e das autoridades espanholas, francesas, italianas e montenegrinas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)