Rádio Observador

Futebol

Dois anos depois, adieu: Antero Henrique sai do PSG em rota de colisão com Tuchel

A relação com o treinador Thomas Tuchel não era a melhor, piorou nas últimas semanas após uma época globalmente aquém e o cenário de saída confirmou-se mesmo: Antero Henrique rescinde com o PSG.

Antero Henrique num treino à conversa com Nasser Al-Khelaïfi e o treinador Thomas Tuchel

AFP/Getty Images

Dois anos depois, a saída: o PSG confirmou oficialmente esta sexta-feira a saída do português Antero Henrique do cargo de diretor desportivo do clube, no seguimento da relação cada vez pior com o técnico da equipa, o alemão Thomas Tuchel.

Antigo responsável pelo futebol do FC Porto, Antero Henrique chegou a Paris no verão de 2017 e não demorou a estar no centro daquele que foi o grande investimento do clube numa equipa que pudesse competir pela Liga dos Campeões, com contratações milionárias como Neymar (222 milhões de euros) e Mbappé (180) – além de outras a custo zero mas também com impacto, casos de Dani Alves ou Lassana Diarra. Com Unai Emery no comando, o PSG ganhou tudo em termos internos (Campeonato, Taça de França, Taça da Liga e Supertaça) mas a reviravolta sofrida em Barcelona, com uma goleada por 6-1 que anulou o 4-0 alcançado no Parque dos Príncipes nos oitavos da Champions, acabou por ditar a saída do técnico espanhol.

A aposta para a presente temporada recaiu em Thomas Tuchel, antigo treinador do B. Dortmund, a que se juntaram Buffon, Benatia e Leandro Paredes (em janeiro), mas não demorou muito a que começassem a sair as primeiras notícias da colisão entre diretor desportivo e técnico: em outubro, o L’Équipe já fazia capa do braço de ferro entre ambos (apesar de tudo estar bem a nível de resultados desportivos). Razões? A esfera de influência na política de contratações, com o alemão a considerar que lhe faltava um médio defensivo e o português a assumir que o plantel era suficiente; e a entrada de outros elementos de confiança no resto da estrutura, incluindo novos profissionais para o departamento médico.

Mais recentemente, com o agravar da má relação entre ambos, Tuchel terá voltado a colocar como condição para permanecer após uma temporada aquém das expetativas (triunfo na Ligue 1 e na Supertaça, havendo mais uma eliminação com reviravolta nos oitavos da Champions agora pelo Manchester United) o alargamento de poderes quase como um manager à inglesa, acusando também Antero Henrique de ter falhado em alguns elementos chave como Frenkie De Jong, médio ex-Ajax que assinou pelo Barcelona. Desgastado, o português terá então aberto a porta à saída, que ficaria fechada esta sexta-feira.

Leonardo, brasileiro que depois de ter comandado AC Milan e Inter foi diretor de futebol do PSG em 2012/13, deverá ser muito em breve apresentado como o sucessor de Antero Henrique, numa operação que poderá também ajudar a desbloquear a ida de De Ligt para Paris, pela boa relação que tem com o agente do holandês, Mino Raiola.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)