Rádio Observador

Benfica

Raúl de Tomás, a.k.a R.D.T.: o sucessor de Félix que esteve próximo do Sporting, gosta de ralis e torceu o nariz ao VAR

Fez toda a formação no Real Madrid, destacou-se na Segunda Liga espanhola e vai ser a segunda contratação mais cara do Benfica: Raúl de Tomás, avançado de 24 anos, é o sucessor de João Félix na Luz.

Raúl de Tomás, ou R.D.T como tem nas costas da camisola, teve uma estreia na Liga espanhola de sucesso pelo Rayo Vallecano

AFP/Getty Images

O Campeonato acabou há pouco mais de um mês e, fazendo o levantamento de todos os nomes que foram apontados neste período de defeso (que teve ainda a final da Taça de Portugal pelo meio), estamos perante dezenas e dezenas de nomes. Uns nunca foram hipótese, outros levaram mesmo a que fosse feita (e recusada) uma proposta, há ainda aqueles (muitos) que são sugeridos pelos próprios agentes e por fim há uma lista que naturalmente não é assim tão pequena de jogadores que estão nas bases de dados dos principais clubes e são seguidos ao longo dos anos tendo em vista uma possibilidade futura de negócio.

Javier Saviola, El Conejo formado no River Plate que chegou à Europa via Barcelona, é exemplo paradigmático disso mesmo: nos seis anos de ligação aos catalães, entre os quais foi cedido por empréstimo a Mónaco e Sevilha, e no final do vínculo com a equipa blaugrana, chegou a ser sondado por mais do que uma vez por Benfica e Sporting – assumido pelo próprio em fevereiro de 2007, ao jornal Record, ainda longe de pensar que, duas épocas depois, chegaria mesmo à Luz numa oportunidade de negócio que os encarnados não enjeitaram no primeiro ano de Jorge Jesus, juntando-se ao amigo e compatriota Pablo Aimar. Raúl de Tomás, o sucessor de João Félix nas opções atacantes de Bruno Lage, segue também esse caminho.

O avançado espanhol de 24 anos chegou nas últimas semanas a ser apontado ao FC Porto, informação que os próprios dirigentes azuis e brancos fizeram questão de negar. Antes, no verão, tinha estado na órbita do Sporting e foi por pouco que não assinou mesmo pelos leões: gorada a hipótese de garantir Lucas Pérez, avançado que estava fora das contas de Unai Emery no Arsenal (acabou por assinar pelo West Ham, estando agora garantido no Alavés), e com Slimani a exigir uma disponibilidade financeira que a SAD verde e branca não conseguia aguentar, o interesse de José Peseiro virou-se para Raúl de Tomás, há muito conhecido do técnico. No final, por ter feito a digressão pelos Estados Unidos do Real Madrid e por ter preferido ficar pela Liga espanhola, a hipótese gorou-se; agora, está a caminho do Benfica, que também antes o seu percurso identificado.

Filho de um antigo futebolista (com o mesmo nome mas conhecido por Beni, que passou por equipas modestas dos escalões inferiores) e com mãe dominicana, que se conheceram quando trabalhavam na mesma escola de condução em Espanha, o dianteiro, nascido em Madrid, começou a jogar no San Roque e mudou-se para o Real com apenas dez anos (tendo também entrado num colégio interno), percorrendo todos os escalões de formação do clube incluindo a equipa C e o Castilla com o título de juvenis pelo meio – onde foi decisivo ao marcar um dos golos na final. Em outubro de 2014, depois da primeira época completa na formação secundária e de ter feito a pré-temporada, Raúl de Tomás teve a estreia no conjunto principal liderado por Ancelotti, substituindo Benzema num encontro dos 16 avos da Taça do Rei frente ao Cornellá.

Internacional pelas camadas jovens espanholas, o avançado foi depois emprestado nas últimas quatro temporadas, renovando pelo meio o contrato com o Real Madrid até 2023 e fazendo parte de algumas pré-temporadas da equipa merengue. A primeira experiência na Segunda Liga, pelo Córdoba, não correu da melhor forma com apenas seis golos em 27 jogos entre Campeonato e Taça do Rei, subindo a pique na época seguinte pelo Valladolid, onde marcou 15 golos em 37 partidas da Segunda Liga. Em 2017/18, Raúl de Tomás chegou ao Rayo Vallecano e foi o melhor marcador da campanha que terminou com a subida ao escalão principal do país, marcando 24 golos em 32 jogos. Também por isso, permaneceu no clube agora na Primeira Liga.

Na última temporada, o avançado estreou-se na Liga com 14 golos em 33 jogos, destacando-se as exibições com o Celta de Vigo (onde apontou mesmo um hat-trick) e com o Barcelona, em Camp Nou, num golo que correu mundo onde começou a jogada no meio-campo até terminar com um remate certeiro de fora da área. Perante a mais do que provável saída de João Félix, Raúl de Tomás foi sempre a primeira opção dos encarnados e Luís Filipe Vieira deslocou-se na segunda-feira, dia 17, a Madrid, via Faro, para fechar uma contratação que será a segunda mais cara de sempre do Benfica (20 milhões) e que, em paralelo, sela as pazes entre as águias e o Real Madrid, que tinham entrado em diferendo na sequência da saída de Garay para o Zenit.

Apesar dos incentivos de Zinedine Zidane, a sua grande referência como jogador quando era mais novo e que começou por ser seu treinador quando subiu à equipa do Castilla (o conjunto secundário dos merengues), De Tomás acabou por não vingar em Madrid com o técnico francês mas prepara-se para chegar à Luz como grande esperança do ataque encarnado e com uma curiosidade estatística que sustenta o investimento feito pelo Benfica: teve uma média maior do que João Félix, Jonas e Seferovic na última edição da Liga espanhola, a nível de dribles, duelos ganhos e passes acertados. E se as maiores curiosidades do avançado que tem nas costas R.D.T. se prendem pelo gosto por ralis e pela prática do boxe, existe uma outra que foi sempre muito destacada em Espanha por ir um pouco contra a corrente – reconhecendo a possibilidade de corrigir erros, mostrou-se contra o VAR no futebol depois de um encontro onde viu um golo seu anulado após recurso ao vídeo-árbitro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)