É preciso recorrer a imagens de arquivo, com quase 30 anos, para encontrar Steve Jobs e Bill Gates lado a lado, quando davam os primeiros passos na área da tecnologia. Os dois grandes impulsionadores da Apple e da Microsoft, respetivamente, marcaram para sempre a tecnologia e o desenvolvimento que hoje lhe conhecemos. No último domingo, num programa da CNN, Bill Gates não poupou Steve Jobs à alcunha de “feiticeiro”, dizendo que o já falecido criador da Apple conseguia “por vezes ser mesmo imbecil”.

“Eu era uma espécie de mágico. Ele lançava feitiços capazes de hipnotizar toda a gente, mas como eu era mágico os feitiços não funcionavam comigo”, disse Bill Gates, reconhecendo depois que a relação entre ambos nem sempre foi fácil: “Admito que, por vezes, fomos longe de mais, admito que várias vezes fomos bastante duros um com o outro”.

Bill Gates reconheceu ainda, durante o programa que foi dedicado à experiência de vários líderes de sucesso, que Steve Jobs tinha uma grande “capacidade de liderança” e que era capaz de reunir à sua volta “uma quantidade impressionante de gente talentosa”, retirando o melhor de cada um dos seus funcionários.

“Até os fracassos ele conseguia transformar em sucesso”, foi o que aconteceu, diz Bill Gates com o lançamento do NeXT em 1998: “Não tinha sentido algum. Foi um fracasso absoluto, mas mesmo assim ele conseguiu cativar as pessoas que lá estavam”.