Rádio Observador

Casas

Preço das casas continua a subir mas FMI diz que não é preciso ação política

Preço das casas continua a subir em Portugal. Fundo Monetário Internacional diz que o crescimento no preço da habitação varia de região para região e que é consequência da procura por não-residentes.

"A maioria das transações imobiliárias não foram financiadas com hipotecas", afirmou a instituição.

Paulo Cunha/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Fundo Monetário Internacional afirma nesta sexta-feira que os preços das casas continuam a subir em Portugal, mas descarta a necessidade de qualquer ação política imediata, recomendando, contudo, às autoridades portuguesas que acompanhem de perto a evolução do mercado hipotecário.

“Os preços das casas ainda estão a subir, mas não é necessária qualquer ação política imediata“, indica o FMI no relatório da missão do FMI a Portugal ao abrigo do Artigo IV, como divulgado nesta sexta-feira.

A instituição indica que os aumentos dos preços das casas continuaram, mas “variam consideravelmente de região para região” e acrescenta que, além disso, “a maioria das transações imobiliárias não foram financiadas com hipotecas“.

O FMI afirma também que, “apesar de alguns sinais recentes de arrefecimento, os preços nos mercados imobiliários residenciais têm crescido de forma constante nos últimos anos, apoiados pela procura robusta de não-residentes e pelo turismo“.

Contudo, a instituição indica que, se persistirem “fortes aumentos de preços”, isso pode encorajar empréstimos hipotecários, inclusivamente através de operações de refinanciamento, “aumentando ainda mais as elevadas exposições dos bancos ao mercado imobiliário”, que representava 38% do total de ativos dos bancos em dezembro de 2018.

Neste sentido, a instituição recomenda que as autoridades portuguesas “devem acompanhar de perto a evolução dos mercados hipotecários e estar prontas para ajustar medidas macroprudenciais, se necessário”.

Esta semana também a Comissão Europeia se pronunciou sobre o mercado imobiliário em Portugal, indicando nas suas previsões de verão, divulgadas na quarta-feira, que antecipa alguma moderação nos preços das casas em Portugal, mas acrescentando que o ritmo de ajustamento deve manter-se lento.

“Espera-se que o aumento gradual da oferta de habitação contribua para alguma moderação nos preços das casas, mas é provável que o ritmo de ajustamento se mantenha lento”, afirmou a Comissão Europeia nas previsões de verão.

Bruxelas referiu, no relatório, que “os preços das casas continuaram a crescer rapidamente, acima de 9% (em termos homólogos) no primeiro trimestre de 2019, desacelerando apenas marginalmente em comparação com os dois últimos anos”.

Dados divulgados naquele mesmo dia pelo Eurostat, o gabinete de estatística europeu, mostraram que Portugal registou a terceira maior subida homóloga nos preços das casas (9,2%) no primeiro trimestre deste ano e a segunda maior face aos últimos três meses de 2018 (3,6%), entre os 28 Estados-membros da União Europeia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
338

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)