O filme português “A Herdade”, de Tiago Guedes, estará em competição no 76.º Festival de Cinema de Veneza, que decorre de 28 de agosto a 07 de setembro, em Itália, onde terá estreia mundial, foi anunciado nesta quinta-feira.

O filme, que se estreia em Portugal a 19 de setembro, integra a competição principal do festival, cuja programação está a ser anunciada nesta quinta-feira de manhã, numa conferência de imprensa em Veneza.

“A Herdade” tem coprodução da Leopardo Filmes e da Alfama Filmes, e conta a “saga de uma família proprietária de um dos maiores latifúndios da Europa, na margem sul do rio Tejo, […] fazendo o retrato da vida histórica, política, social e financeira de Portugal, dos anos 40, atravessando a revolução do 25 de Abril e até aos dias de hoje”.

Com argumento de Rui Cardoso Martins e Tiago Guedes, com a colaboração de Gilles Taurand, o elenco é composto por Albano Jerónimo, Sandra Faleiro, Miguel Borges, João Vicente, Ana Bustorff, Beatriz Brás, entre outros.

Depois de Veneza, o filme terá a sua estreia norte-americana no Festival Internacional de Cinema de Toronto, cuja 44.ª edição decorre entre 05 e 15 de setembro.

“Cães que ladram aos pássaros”, de Leonor Teles, também vai estar em competição no 76.º Festival de Cinema de Veneza. O filme faz parte da secção competitiva Orizzonti, sub-secção de curtas-metragens, de acordo com a produtora Uma Pedra no Sapato, num comunicado hoje divulgado.

“Cães que ladram aos pássaros”, refere a produtora, “acompanha os dias de verão de Vicente e da sua família, obrigados a sair da sua casa no centro do Porto, por força da especulação imobiliária”.

O nome de Leonor Teles, de 27 anos, sobressaiu no cinema português em 2016, quando venceu o Urso de Ouro, o prémio máximo do festival de Berlim, com “Balada de um batráquio”.

Depois das curtas-metragens “Rhoma Acans” e “Balada de um batráquio”, Leonor Teles assinou em 2018 a primeira longa documental, “Terra Franca”, vencedora de uma dezena de prémios, que acompanha a vida de Albertino Lobo, um pescador de Vila Franca de Xira (onde a realizadora nasceu) ligado desde sempre ao rio Tejo.

Em 2016, o ator português Nuno Lopes foi distinguido pelo júri da secção Orizzonti, em Veneza, com o Prémio Especial de Melhor Ator, pelo seu desempenho no filme “São Jorge”, de Marco Martins.

Esta secção competitiva, paralela à competição principal, visa a distinção de filmes que arrisquem “novos horizontes”, em termos estéticos e de produção.

A programação do 76.º Festival de Cinema de Veneza, apresentada esta quinta-feira em conferência de imprensa, em Veneza, integra também “Francisca”, de Manoel de Oliveira. Será exibido na secção Venice Classics, na qual é apresentada “uma seleção das melhores versões restauradas de clássicos do cinema, da responsabilidade de arquivos de cinema, instituições culturais e produtoras de todo o mundo”.

As obras exibidas na secção Venice Classics competem pelos prémios de Melhor Filme Restaurado e Melhor Documentário sobre Cinema, cujos vencedores são escolhidos pelo Júri de Estudantes de Cinema, presidido pela realizadora e argumentista Costanza Quatriglio.

A 76.ª edição do Festival de Cinema de Veneza abre oficialmente a 28 de agosto com o filme “La vérité”, do realizador japonês Hirokazu Kore-eda, protagonizado por Catherine Deneuve, Juliette Binoche e Ethan Hawke.

O cineasta espanhol Pedro Almodóvar vai receber o Leão de Ouro pela carreira.