Rádio Observador

Curiosidades Auto

Não, o Tesla Model 3 não é o eléctrico mais eficaz

263

Muitos pensam que o mais recente dos Tesla, o Model 3, é o eléctrico mais eficaz do momento. Estão errados: este é que é o líder da eficiência entre os veículos a bateria. Está na Suíça e é… robusto.

O Model 3 é uma referência entre os veículos a bateria. A versão Long Range do familiar da Tesla, apesar dos seus quase 4,7 metros de comprimento, uma velocidade máxima de 233 km/h e a possibilidade de ir de 0 a 100 km/h em 4,6 segundos, ainda consegue uma autonomia de 560 km, segundo o método WLTP, com uma bateria de apenas 75 kWh. Mas se o eléctrico americano impressiona pela gestão de energia, há um veículo eléctrico que nos impressiona ainda mais.

Nasceu como Komatsu HB 605-7, equipado com um “motorzinho” diesel com “apenas” 23.200 cc e uns impressionantes 750 cv. Na essência, trata-se de um daqueles dumpers monstruosos cuja função passa por ir carregar terra ao topo de uma montanha e transportá-la até cá abaixo, onde depois é transformada em cimento.

Sucede que, segundo a cimenteira suíça Ciments Vigier, este dumper king size (9,3 metros de comprimento, 13,9 m de largura e 4,4 m de altura), com um peso em vazio de 45 toneladas, realiza 200 viagens de ida e volta por dia, consumindo no processo 100.000 toneladas por ano de gasóleo. A que correspondem 130 toneladas de CO2 a mais na atmosfera, isto sem contabilizar os NOx, as partículas e o enxofre.

Para colocar um termo a tudo isto, tanto mais que a cimenteira opera em Bienna (Biel, em alemão), nas margens do lago com o mesmo nome, a empresa decidiu encomendar à Kuhn Schweitz a electrificação do dumper, que assim passou a e-dumper.

Saiu o motor diesel com 750 cv e entrou um eléctrico com 800 cv, com “só” 9500 Nm de binário. Para o alimentar, o transformador suíço recorreu aos alemães da Lithium Storage que lhe forneceu um pack de baterias com 700 kWh de capacidade, o equivalente a sete Tesla Model S 100D (denominação antiga), com um peso total de 5 toneladas, com o peso das baterias e motor eléctrico a compensar o do antigo motor diesel e o enorme depósito que o alimentava.

O e-dumper pode agora continuar a subir e a descer a montanha transportando 65 toneladas de terra, as mesmas 20 vezes por dia, sem emitir um grama de CO2, nem qualquer poluente. Mas oferece ainda uma vantagem por que poucos esperavam: uma eficácia extrema. O fabricante anuncia zero consumo eléctrico na viagem completa, apesar de o veículo andar para cima e para baixo com 110 toneladas (peso total, veículo mais carga). Tudo porque na descida, e devido ao elevado peso do veículo, a capacidade de regeneração é capaz de gerar 200 kWh de energia, com que recarrega a bateria.

Para evitar a natural desconfiança, a Ciments Vigier convidou a CNN a confirmar os valores, com a cadeia americana a desafiar o piloto de Fórmula E, Lucas Di Grassi, a mostrar a sua arte aos comandos do mastodôntico veículo, a uns certamente “impressionantes” 20 km/h. E, de acordo com Di Grassi, o e-dumper saiu do fundo da pedreira com 90% de carga na bateria, tendo atingido o topo com o indicador a apontar para 80% de carga. Porém, na descida, a quantidade de energia voltou a subir para 88%. Se bem que existam algumas discrepâncias entre os valores avançados pelo fabricante e pela CNN, a verdade é que o e-dumper consome apenas 0% ou 2% para transportar 65 toneladas de terra para fora da pedreira e voltar. Um novo recorde em matéria de eficiência, com que a Kuhn Schweitz conta para produzir (e vender) mais e-dumpers.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)