“Que grande clube! É um prazer ver como cresci enquanto jogador aqui e tudo aquilo que o clube alcançou durante esta caminhada”, escreveu Rúben Neves na passada segunda-feira. Na véspera, o internacional português tinha cumprido o 100.º jogo pelo Wolverhampton, clube para onde se transferiu com apenas 20 anos após ter feito toda a formação ao serviço do FC Porto. A mensagem foi sentida mas não foi publicada sozinha, com a partilha também de alguns dos golos apontados na Premier League. Quase todos de fora da área, acrescente-se.

Numa estatística curiosa mas que mostra bem as características do médio que voltou a ser chamado por Fernando Santos para os últimos dois jogos de qualificação para o Campeonato da Europa de 2020, frente a Lituânia (dia 14) e Luxemburgo (dia 17), Rúben Neves é o jogador com mais remates de fora da área da Premier League desde 2018, ano que marcou o regresso do Wolverhampton ao convívio dos grandes no futebol inglês (88). Mas esta tarde, na receção ao Aston Villa, houve mais um registo para acrescentar a essa estatística.

Numa primeira parte de sentido único, e com os visitantes a prolongarem o azar na baliza (Tom Heaton, habitual titular, ficou de fora e o suplente Jed Steer lesionou-se logo nos minutos iniciais, dando lugar ao norueguês Orjan Nyland), Doherty deixou as ameaças mais perigosas incluindo uma bola na trave num cruzamento remate antes de Rúben Neves inaugurar o marcador num lance de laboratório em que João Moutinho fez a assistência num livre lateral e o médio, de fora da área, a atirar sem hipóteses para o 1-0 a quatro minutos do intervalo.

Além de ser o jogador com mais tentativas fora da área desde o arranque de 2018/19, Rúben Neves é também o quarto jogador com mais remates no alvo e o terceiro com mais golos. Aliás, nos 14 golos apontados pelos Wolves, 11 foram de meia distância. Com uma outra curiosidade: desde a temporada passada, tem muito mais remates certeiros de fora da área do que ações dentro da área contrária. Tudo na semana em que tinha falhado uma grande penalidade na receção ao Slovan Brastislava, a contar para a quarta jornada da Liga Europa.

Na segunda parte, o Aston Villa, uma das equipas que mais investiu esta temporada de regresso à Premier League, teve uma ligeira melhoria mas foi o Wolverhampton que controlou quase sempre a partida, tendo ainda mais uma bola nos ferros por Adama Traoré (jogador que aproveitou algumas lesões na seleção espanhola para ser chamado para os próximos compromissos da Roja), que faria a assistência para Raúl Jiménez apontar o 2-0 a seis minutos do final após mais uma grande jogada pela direita. Trezeguet, na sequência de um canto, reduziu a desvantagem já no período de descontos. Com o triunfo, o conjunto comandado por Nuno Espírito Santo saltou do 15.º para o oitavo lugar da classificação, a apenas um ponto dos lugares com acesso à Europa.