Além da presença de Greta Thumberg, a Marcha pelo Clima de Madrid, na sexta-feira passada, foi marcada pelas fortes declarações de Javier Bardem, que chamou “estúpido” ao alcaide da capital espanhola, José Luis Martínez-Almeida, e ao presidente americano, Donald Trump. Mas as redes sociais não perdoaram, porque o ator espanhol conduz carros altamente poluentes, segundo o El Mundo. No dia seguinte, conta o jornal espanhol, o ator pediu desculpa, por se ter “deixado levar por um impulso construtivo”.

Bardem criticou o novo presidente da câmara de Madrid por causa da “reversão de Madrid Central” — o alcaide travou o programa que tinha sido adotado pelo anterior executivo camarário, autorizando que os automóveis poluentes pudessem voltar a circular no centro da cidade.

As críticas ao ator madrileno, no entanto, amontoaram-se nas redes sociais, porque Bardem utiliza veículos todo-o-terreno de luxo, como o Lincoln Navigator — com duas toneladas e meio e um motor de 5,4 litros por cilindrada, consome 17 litros por cada 100 quilómetros, tornando-o num dos mais gastadores do mercado. O carro, que não é vendido na Europa, consome muito mais do que os 1,5 a 2 litros por cilindrada da maioria dos automóveis.

O veículo da Ford não caberia sequer na maioria dos parques de estacionamento de Madrid Central, nota o El Mundo, porque tem mais de cinco metros de comprimento.

Bardem foi ainda criticado porque a mulher, Penélope Cruz, faz anúncios a cruzeiros, altamente poluentes.