O streaming pode ter complicado as contas quando chega a hora de escolher o que ver na televisão — e nestes dias de Ano Novo, criar raízes em frente ao ecrã é uma das atividades mais populares. Por isso mesmo, deixamos algumas opções a ter em conta, tanto na programação dos canais da TV mais tradicional como nos serviços de streaming disponíveis entre nós.

Três sugestões para entrar em 2020 com o pé direito

Acabou de comer as passas, de ligar a toda a gente e de acabar o primeiro copo de espumante (de 2020). Se estiver em casa, é tempo de ver televisão enquanto troca algumas mensagens. Os primeiros programas que vemos em cada ano definem os nossos doze meses seguintes. Dizem. Tendo em conta esta teoria, 2020 pode ser um ano erótico: às 00h31 de dia 1 de janeiro, a RTP Memória passa “Emmanuelle”. O filme termina às 2 da manhã e se quiser continuar com o erotismo, só tem de esperar até às 03h30, onde passa mais um episódio de “Naked Attraction” na SIC Radical. O que fazer durante aquela hora e meia? Na Fox Movies vai estar a passar a trilogia “O Padrinho”, começa às 22h30 de dia 31 de dezembro e termina só às 7 da manhã no dia seguinte. Não é erótico, mas é intenso, e às vezes vai dar no mesmo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Porque o fim de ano também é música: três concertos para ver em casa

Alguma vez sonhou em passar o fim de ano com Sting? Pois bem, vai poder fazer isso mesmo se ficar em casa e ligar a RTP2, que transmitirá “Uma Noite de Inverno — Sting ao Vivo na Catedral de Durham” às 22h55 do dia 31. No dia seguinte, proposta bem diferente, também na RTP2, pelas 21h10, com “Joyce DiDonato — Guerra e Paz: Harmonia Através da Música”. Se não conseguiu ver nenhum dos concertos que André Rieu deu em Portugal em 2019, pode sempre compensar isso ligando na RTP1 às 17h15 no dia 1 e assistir ao seu “Concerto de Natal”.

Três filmes de ação (porque Ano Novo é ação)

Saudades de Jason Bourne? “Supremacia” passa na TVI às 15h45 no dia 1. O que fazer a seguir? Salte para o AXN Black, onde irão passar a tarde com os filmes do “Rocky”. Assim que “Supremacia” acabar, “Rocky II” estará a começar no AXN (17h38). Para a noite? Mais um franchise de sucesso, “Velocidade Furiosa 6” (21h30) no Hollywood.

Três jogos de futebol

É isso, a Premier League não pára. É um dia em cheio de bola. Às 12h30 há Brighton-Chelsea na Sport TV 1, Mourinho e o seu Tottenham entram em campo às 15h00 num jogo fora contra o Southampton, também na Sport TV 1. Se quiser outros portugueses em campo, vai ter de prescindir de Mourinho, porque à mesma hora há Watford — Wolverhampton na Sport TV2. Podemos sugerir um quarto? Manchester City – Everton às 17h30 na Sport TV1.

Três séries frescas (que consegue ver todas numa tarde)

Os serviços de streaming não ligam a épocas ou a temporadas. Não há horários nobres, épocas altas ou épocas baixas. As coisas acontecem. Por isso, há muita coisa boa que estreou nas últimas semanas do ano. Se procura algo novo e virado para a comida, “Foodie Love” (HBO) é ótimo para a ementa de ressaca. Um casal conhece-se através de comida e desenvolve uma relação a partir daí: com bom ramen e cocktails de sonho. Ainda nas relações, a segunda temporada de “You” (Netflix) relembra que o Kindle não anda a salvar apenas árvores, também salva mulheres de psicopatas que trabalham em livrarias. Por último, as três narrativas temporais e o fascínio de se lançar uma temporada apenas para introduzir uma história talvez não seja bom para uma dor de cabeça de fim de ano, mas se estiver tranquilo, sóbrio e com  oito horas pela frente, a primeira temporada de “The Witcher” (Netflix) será uma ótima companhia.

Três das melhores séries do ano (que também pode ver de uma vez)

“Fleabag” (Amazon Prime Video) andou nas bocas do mundo e não é para menos: a série criada por Phoebe Waller-Bridge é um eloquente tratado sobre a vida moderna. As duas temporadas veem-se tranquilamente de seguida e vai bem com snacks. O que faz uma mãe divorciada quando o filho vai para a universidade? Começa a ver pornografia e a descobrir que o céu é o limite, essa é a história de “Mrs Fletcher” (HBO), sete ótimos episódios sobre o processo de redescoberta. E não se distraia, a pornografia é só um pormenor. Quer saber em que estado irão estar as coisas nos próximos anos? “Years And Years” (HBO) tem uma visão que soa bastante realista do que está para vir. Bom para contrariar o otimismo com que se entra em cada ano.

Três documentários imperdíveis

Lembra-se de Gil Y Gil? Os quatro episódio de “O Pioneiro” (HBO) mostram um lado do populismo político que já parece distante hoje em dia. Muito mais do que apenas um documentário sobre o ex-presidente do Atlético de Madrid. Se voltou de uma festa, nada melhor do que ver um documentário sobre um festival que nunca existiu, “Fyre – The Greatest Party That Never Happened” (Netflix) relembra-nos que as imagens de uma campanha de Instagram nem sempre correspondem à realidade. Por falar em coisas que não existem, 2019 também esteve em força com a teoria de que a terra é plana. Tire as duas dúvidas com “Behind The Curve” (Netflix).