A rainha Isabel II decidiu convocar os duques de Sussex e de Cambridge para uma reunião de emergência, esta segunda-feira, para discutir o futuro de Harry e Meghan, que anunciaram quarta-feira que queriam tornar-se independentes da família real britânica. Será o primeiro encontro com a rainha depois do anúncio.

Uma fonte do palácio real avançou à Sky News que nos últimos dias houve uma série de reuniões e consultas, mas que há várias questões que ainda têm que ser delineadas seguindo a vontade que Harry e Meghan expressaram esta semana. Já o The Guardian refere que a ex-atriz Meghan, que se encontra no Canadá — onde ela, Harry e o filho passaram o Natal e o ano — participará na reunião por videoconferência.

Também o The Guardian explica que a rainha tem estado em Norfolk, onde será a reunião, Carlos em Birkhall, na Escócia, e William no Palácio de Kensington, já Harry vive Windsor. Esta reunião, avançou a mesma fonte, será uma oportunidade para que todos discutam a proposta dos duques de Sussex, depois de consultados uma série de representantes dos governos britânico e canadiano para perceber como é que Harry e Meghan podem desempenhar o seu papel enquanto família real, mas de forma independente. Não significa, porém, que esta questão seja resolvida logo nesta reunião.

William diz que ele e irmão são agora “entidades separadas”

Entretanto, o Sunday Times revela que o príncipe William se sente triste com a decisão do irmão e que terá revelado essa tristeza a um amigo. “Eu apoiei-o a vida toda e não o posso fazer mais, agora somos entidades separadas”, disse, esperando que no futuro possam “jogar na mesma equipa”. O comentário terá sido feito após o anúncio da reunião com a Rainha.

O novo site, os assessores e o telefonema de Natal. Como Meghan e Harry planearam a fuga durante meses

O anúncio desta separação foi feito quarta-feira, depois de meses a ser pensado como explicaram e como prova o novo site Sussex Royal, a página oficial do casal lançada esta semana que começou a ser feita em março. Aos 93 anos, é Isabel II quem trabalha na resposta à crise, rodeada dos quatro gabinetes que apoiam a realeza — Buckingham, Clarence House, Kensington e Sussex.