Ana Gomes lançou a suspeita no seu espaço de comentário na SIC: “Circula por aí uma lista, que até hoje não vi ser desmentida por ninguém, de 44 juízes portugueses que recebiam bilhetes grátis do Benfica”. À cabeça dessa lista, diz a ex-eurodeputada, está o juiz António Piçarra, atualmente presidente do Supremo Tribunal de Justiça e, por consequência, do Conselho Superior da Magistratura. “Que sinal se dá aos jovens juízes, que querem fazer com correção e competência o seu trabalho, se há a suspeita de haver este tipo de relação promíscua?”, atirou a antiga eurodeputada socialista. O presidente do Supremo, contudo, rejeita todas as suspeitas.

Numa nota enviada às redações intitulada “Nota sobre a lista de juízes convidados para assistir a jogos de futebol”, o juiz António Piçarra esclarece: “Nunca aceitei convites de qualquer clube de futebol para assistir a jogos”. E acrescenta: “Repudio, em nome pessoal e como presidente do Supremo Tribunal de Justiça e do Conselho Superior da Magistratura, insinuações gerais de parcialidade da justiça que têm surgido a este propósito”.

No seu comentário na SIC, Ana Gomes tinha instado a tomadas de posição dos próprios. “Essa lista é pública, não sei se é Football Leaks, mas está por aí, nas redes sociais, e eu acho que ela exige uma tomada de posição não só dos próprios, que lá estão, mas das próprias autoridades, das instituições e em particular do Conselho Superior da Magistratura. Porque se não, vamo-nos inquietar muito. Não imagino ver nenhum destes 44 juízes, se não desmentirem e se demarcarem dessa lista, a integrar, por exemplo, o coletivo que venha a julgar Rui Pinto, ou a julgar, por exemplo, as questões relacionadas com os Luanda Leeks que, como hoje sabemos, são produto das revelações de Rui Pinto”, disse.

Antes, a 31 de janeiro, já tinha feito a mesma denúncia no Twitter: