A equipa de LeBron James venceu no domingo, em homenagem a Kobe Bryant, um inesperadamente intenso “All Star Game” da Liga norte-americana de basquetebol (NBA), em que se defendeu e lutou como nunca, no United Center, em Chicago.

Um lance livre de Anthony Davis, após falta de Kyle Lowry, decidiu o jogo, num triunfo por 157-155, após um quarto período que foi uma autêntica batalha, num novo formato, em que vencia a primeira equipa a chegar aos 157 pontos. A formação de Giannis Antetokounmpo entrou para o derradeiro parcial a vencer por 133-124 — a meta 157 eram os 133 mais 24, um dos números com que jogou Kobe -, mas sucumbiu à “guerra” defensiva em que se transformou o encontro.

Kahwi Leonard, o “Jogador Mais Valioso” (MVP) da final da NBA de 2019, acabou por ser eleito o melhor em campo, ao ser o melhor marcador do encontro, com 30 pontos, incluindo oito “triplos”, o que lhe valeu o primeiro “Kobe Bryant MVP”.

LeBron James e Chris Paul, ambos com 23 pontos, também se destacaram na equipa vencedora, enquanto Giannis, autor de 25 pontos e 11 ressaltos, tentou tudo para fazer a sua equipa vencer, com a ajuda de Kemba Walker (23 pontos) e Joel Embiid (22).

Na terra dos Bulls, seis vezes campeões graças a Michael Jordan, que esta segunda-feira completa 57 anos e na anterior edição em Chicago, em 1988, foi MVP com 40 pontos, o jogo foi antecedido de homenagens a Kobe, e também ao ex-comissário David Stern, primeiro num discurso de Magic e depois pela voz de Jennifer Hudson.

Seguiu-se o encontro e a equipa LeBron, com o “2” nas costas que usava Gianna, a filha de 13 anos de Kobe Bryant também falecida no trágico acidente de helicóptero que vitimou o pai, dominou o primeiro período, que venceu por 53-41. No segundo período, Giannis assumiu o comando da sua equipa, com o “24” de Kobe, e liderou-a uma vitória clara, por 51-30, para, no terceiro, o resultado acabar num empate a 41, ainda num clima normal de “All Star”: afundanços, “triplos” e pouca defesa.

Feitas as contas, e face o novo formato, a equipa do grego entrou para o último período com 133 pontos e a de LeBron com 124, sendo o objetivo chegar aos 157 (133+24). E o quarto período, jogado sem limite de tempo, foi uma batalha, em que se defendeu nos limites, e para além deles, face à permissividade normal dos árbitros em jogos “All Star”, com as duas equipas “super” determinadas em chegar ao triunfo.

A equipa Giannis acabou por não aguentar a pressão defensiva exercida pela equipa LeBron, que foi a única que teve lançamentos para vencer, acabando por triunfar graças a um lance livre de Anthony Davis, jogador dos Los Angeles Lakers. Depois da formação do grego se colocar pela primeira vez a uma posse de bola do triunfo (156-155), a equipa do 23 dos Lakers acabou com o jogo no ataque seguinte, após uma falta de Kyle Lowry: Davis ainda falhou um primeiro lance livre, mas acertou o segundo.

A escola Chicago Scholars, ligada à equipa LeBron, foi a grande beneficiada, já que recebeu 400 mil dólares, 100 pela vitória no primeiro período e 300 pelo triunfo final, os 200 previstos mais 100 por ter havido empate no terceiro. A After Scholl Matters, de Giannis, ficou-se pelos 100, do segundo parcial.

Nos outros eventos do fim de semana “All Star”, destaque, no sábado, para o triunfo de Derrick Jones Jr. no concurso de afundanços, após um espetacular duelo com Aaron Gordon, de Buddy Hield nos “triplos” e de Bam Adebayo nos “skills”. Na sexta-feira, no jogo entre “estrelas em ascensão”, os Estados Unidos venceram o Mundo por 151-131, com 20 pontos, cinco ressaltos e cinco assistências do MVP Miles Bridges.