“Um grande treinador à frente do nosso plantel, o qual será muito bem apetrechado”. É desta forma que o Benfica, através da sua newsletter diária, anuncia o arranque da segunda passagem de Jorge Jesus pelo clube, num regresso cinco anos depois que terá esta tarde a apresentação oficial apesar de estar há 13 dias em Portugal em reuniões e demais contactos tendo em vista a época de 2020/21. Os encarnados assinalam o momento como uma viragem importante depois de uma temporada “que ficou aquém dos objetivos” e falam mesmo numa nova era.

O início da era Jesus parte II no Benfica tem data marcada e Flamengo vai receber entretanto cláusula de rescisão

“A temporada que findou ficou claramente aquém dos objetivos definidos, impondo-se, assim, um fim de ciclo e o início de outro. A obtenção de apenas um troféu numa época, caso não se trate do Campeonato, é escasso pecúlio para um clube como o Benfica. É certo que conquistámos cinco Campeonatos nas últimas sete temporadas, incluindo o inédito tetra, um feito que há muitas décadas perseguíamos e finalmente conseguimos. Nestas sete épocas, vencemos 15 dos 28 troféus em disputa, mais de metade, ou seja, mais do que o total agregado de todos os nossos adversários. Porém, o percurso da equipa em 2019/20 não esteve à altura dos pergaminhos, saldando-se muito abaixo das expectativas, as quais eram legítimas e consonantes com o elevado investimento feito e com a ambição de todos os benfiquistas”, começa por destacar o texto publicado nos órgãos sociais do clube.

“Queremos ganhar sempre, nunca nos acomodamos nem viramos a cara à luta. Damos o melhor de nós para contribuirmos para o acréscimo de títulos e troféus ao nosso vasto e glorioso palmarés. E, felizmente, reabituámo-nos a vencer regularmente, algo que não acontecia desde a década de 80 do século passado, o que muito nos orgulha e satisfaz, mas ainda mais nos responsabiliza. Não surpreende, portanto, que, no final de uma época em que vencemos somente a Supertaça, se tenha decidido enveredar por outro caminho, não obstante o destino pretendido – ganhar, ganhar e ganhar – se mantenha. Impunha-se uma reação rápida à derrota e ela aí está, com o regresso de Jorge Jesus para iniciar um novo ciclo. Trata-se de um técnico indiscutivelmente competente com provas dadas em vários clubes, nomeadamente no Benfica, pelo qual se sagrou campeão três vezes, celebrando o bicampeonato 31 anos depois do anterior”, prossegue.

Praia, cavaquinho, champanhe, uma bandeira e a ironia de Vieira: as últimas horas de Jesus, que já aterrou em Lisboa

“Temos os olhos postos no futuro, sabendo que contaremos com um grande treinador à frente do nosso plantel, o qual será muito bem apetrechado certamente. Sofrido um desaire, exige-se sempre uma resposta à Benfica, não tendo nós a mínima dúvida de que esta será dada o mais adequada e célere possível. Nos últimos anos voltámos a ser, no futebol português, o Benfica que ganha mais do que perde. É este Benfica que queremos continuar a ser já na próxima temporada”, conclui a newsletter, na antecâmara da apresentação de Jesus.

Um dia, Jesus não atendeu Vieira. Durante um ano, mal se falaram. Uma década depois, são amigos como sempre – e vão juntar-se na Luz

Sobre a final da Taça de Portugal, mais concretamente sobre o que se terá passado no final da primeira parte no túnel de acesso aos balneários, o Benfica não fez qualquer comentário. De recordar que, na noite deste domingo, fonte dos encarnados tinha revelado ao Record vários episódios, das palavras de Sérgio Conceição para Artur Soares Dias a alegadas tentativas de agressão de Pepe a jogadores encarnados, passando pela pressão de Otávio e Luís Gonçalves sobre o quarto árbitro, Manuel Mota, e à tentativa de Marchesín em ir à zona das águias.