A família de Fernanda Lapa, que faleceu esta quinta-feira em Cascais, apela a que “quem queira oferecer flores” para o funeral da atriz e encenadora opte, antes, por fazer um donativo à família do ator Bruno Candé, assassinado com quatro tiros, em Moscavide, em julho.

“A Família agradece, a quem queira oferecer flores que o valor das mesmas seja dado como donativo à Família do Ator Bruno Candé Marques para o IBAN PT50 0035 0936 00042511500 87 da CGD”, refere a família da atriz, em comunicado.

“Exigente, lutadora, generosa”: morreu a atriz e encenadora Fernanda Lapa, “pilar do teatro em Portugal”

O corpo de Fernanda Lapa vai estar em câmara ardente esta sexta-feira, 7 de agosto, a partir das 18h00, na Escola de Mulheres (Clube Estefânia), na Rua Alexandre Braga, n.º 24 A, em Lisboa. As exéquias fúnebres terão início no sábado, dia 8 de agosto, pelas 16h30, para o crematório no Centro Funerário de Cascais, em Alcabideche.

A atriz, um dos nomes mais importantes da encenação e da representação em Portugal, estava hospitalizada em Cascais. Tinha 77 anos. A notícia da morte foi avançada pela companhia de teatro Escola de Mulheres. “É com profundo pesar e imensa tristeza que a Escola de Mulheres comunica a morte de Fernanda Lapa, diretora artística desta companhia desde a sua fundação, em 1995”, escreveu a companhia, num comunicado à imprensa.

Várias personalidades, de diferentes quadrantes, recordam o talento e a “voz interventiva” de Fernanda Lapa. A atriz Maria do Céu Guerra fala numa “pessoa sempre leal, sempre talentosa, sempre trabalhadora“. Já o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enalteceu a sua “voz interventiva nas questões do teatro, da cultura e da intervenção cívica”.