A classificação da Dieta Mediterrânica como Património Imaterial da Humanidade há sete anos beneficiou o desenvolvimento de setores como a gastronomia e o turismo em Tavira, disse esta sexta-feira à Lusa a presidente da Câmara.

A Dieta Mediterrânica está enraizada nos hábitos dos tavirenses e isso reflete-se no desenvolvimento de alguns setores, nomeadamente, gastronómico, turístico, cultural, desportivo e educacional”, afirmou Ana Paula Martins.

Depois do Fado, a Dieta Mediterrânica foi o segundo elemento português a integrar a lista de património imaterial da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em 4 de dezembro de 2013, tendo Tavira sido escolhida em Portugal como comunidade representativa da candidatura.

Em declarações à Lusa por ocasião do aniversário da classificação, Ana Paula Martins considerou que foi uma “honra” para Tavira representar Portugal na candidatura que juntou localidades de vários países do Mediterrâneo, mas frisou que a distinção trouxe uma “responsabilidade” para o município.

A presidente da Câmara de Tavira destacou que, desde 2013, “foi criado um plano de salvaguarda que visa a preservação e transmissão desta vivência milenar às atuais e futuras gerações”, de forma a assegurar uma “prioridade” do município.

O objetivo do plano, sublinhou, é a “proteção, valorização das culturas mediterrânicas, dos conhecimentos e saberes, dos produtos locais, das paisagens culturais, das cozinhas tradicionais e gastronomias, das festividades e da promoção da saúde comunitária”.

Ao garantir a preservação da Dieta Mediterrânica e dos valores que a ela estão associados, é também assegurado que se “potenciam o conhecimento, a criatividade, a identidade e a sustentabilidade dos territórios e do ambiente”, argumentou Ana Paula Martins.

A autarquia tem também vindo a trabalhar para aproveitar o “sentido de pertença da comunidade” para “promover Tavira como comunidade representativa da Dieta Mediterrânica”, dentro e fora do país.

“Continuaremos firmes na nossa missão de defender e difundir a essência deste estilo de vida. Pela ocasião da celebração de mais um aniversário, é importante relembrar que a Dieta Mediterrânica é um modelo cultural que incorpora valores e práticas sociais milenares”, disse ainda a presidente da Câmara.

Para assinalar o sétimo aniversário da classificação da Dieta Mediterrânea como património da UNESCO, a autarquia vai promover um conjunto de atividades, como a distribuição pelos alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico do concelho do livro didático “A Maria, o Avô Silvestre e a Dieta Mediterrânica”, que dispõe de uma versão ‘online’ nas páginas do município e da Dieta Mediterrânica, para os familiarizar com este património cultural.

Foi também preparado, com a colaboração da Escola de Hotelaria e Turismo de Vila Real de Santo António e do Centro de Saúde de Tavira “um menu de fim de semana baseado no padrão alimentar da dieta mediterrânica”, que estará disponível nas redes sociais tanto da autarquia, como da Dieta Mediterrânica.