Fernando Negrão, ex-líder parlamentar do PSD, acredita que tem condições para ganhar a corrida a Setúbal. No programa Resposta Pronta da Rádio Observador, o ex-ministro diz acreditar que este é o melhor “timing” para a sua candidatura e que Setúbal vai conhecer uma mudança de ciclo. “É uma altura em que se vão renovar as caras”.

Autárquicas. Fernando Negrão é candidato do PSD para “modernizar setúbal”: “timing certo”.

Já é a segunda vez que o social-democrata se candidata à Câmara Municipal de Setúbal, após ter ficado em segundo lugar nas autárquicas de 2005 com 25,43% dos votos, perdendo para Carlos de Sousa, que concorria com a CDU. “Aquele era o tempo do PCP”, lembra. Mas agora é uma altura em que se “renovam as caras”, diz. Isto também porque a comunista Maria das Dores Meira atingiu o limite de mandatos deixará a autarquia para tentar recuperar o concelho de Almada para o PCP.

O candidato do PSD assume que tem a “visão de ganhar”. “Vivo em Setúbal há 60 anos, acompanho a vida da cidade há muitos anos”, afirma, acrescentando que acompanha a vida “da cidade há muitos anos”. Além disso, ainda deixou elogios a Carlos Moedas dizendo que o timing para apresentação da sua candidatura não foi uma coincidência, mas que a escolha do antigo Comissário Europeu “é uma escolha da maior importância e da maior relevância”. “É alguém que tem conhecimento necessário e suficiente para transformar Lisboa”, adiantou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[Leia abaixo, na íntegra, as declarações de Fernando Negrão à Rádio Observador]

Porquê esta segunda candidatura à Câmara Municipal de Setúbal?
Em 2005 fui candidato, tive um resultado em que fiquei imediatamente a seguir ao PCP e com o PS em terceiro lugar. E, portanto, foi um resultado muito bom para o PSD e que não teve continuidade por uma razão, e é preciso conhecer o concelho de Setúbal. Aquele era o tempo do PCP. E confirmou-se, de facto, que a candidata do PCP cumpriu três mandatos. Terminou agora, saiu. E renovam-se as caras em Setúbal. Renovam-se as do PCP, renovar-se-á, eventualmente, o PS, e renova-se o PSD com o meu regresso. Este é, realmente, o timing certo para o meu regresso.

Este é o momento para ganhar Setúbal?
Sim, num ato eleitoral temos de ter essa visão de ganhar, de ganhadores. Porque eu vivo em Setúbal há 60 anos, acompanho a vida da cidade há muitos anos e está no momento de Setúbal dar o salto para a modernidade, o salto para o desenvolvimento económico sustentado, o salto para a qualidade de vida, para as crianças e para as famílias jovens e para os idosos. Enfim, para todos aqueles que queiram viver em Setúbal e transformar Setúbal numa cidade em que se queira viver e se queira trabalhar.

Apresenta-se curiosamente quase ao mesmo tempo que Rui Rio apresenta que Carlos Moedas será o candidato a Lisboa. Foi uma coincidência? A candidatura de Carlos Moedas tem condições para vencer Lisboa?
Não foi uma coincidência, mas a escolha de Carlos Moedas como candidato a Lisboa é uma escolha da maior importância e da maior relevância uma vez que a nós, o PSD, apresentou um candidato com peso não só na vida nacional, como na vida europeia. Portanto, é alguém que tem conhecimento necessário e suficiente para transformar Lisboa numa cidade cosmopolita e numa cidade que deve ser. É uma cidade com energia própria, diversidade e com desenvolvimento forte. Portanto, Carlos Moedas tem todas essas condições para transformar Lisboa numa grande cidade no mundo.

PSD/Setúbal diz que candidatura de Fernando Negrão “agrada e não foi surpresa”

O presidente da comissão política do PSD de Setúbal afirmou eque Fernando Negrão “é um bom candidato” à Câmara de Setúbal e garantiu que a distrital e a concelhia estavam a par da escolha do líder do partido.

“Desde o início que o presidente do PSD disse que queria ter uma atenção especial às capitais de distrito, mas houve contactos e concertação com as estruturas locais do partido”, disse à agência Lusa Paulo Ribeiro.

Segundo o presidente do PSD/Setúbal, Fernando Negrão foi “uma escolha do presidente do partido, mas que agrada à concelhia e à distrital”.