Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tal como tinha acontecido na véspera, Aleksander Čeferin falou sobre e para os 12 “dissidentes” que anunciaram de forma unilateral a criação de uma Superliga Europeia. Mas, ao contrário do que tinha acontecido na véspera, Aleksander Čeferin focou as suas palavras apenas em metade desses clubes, mais concretamente os ingleses. E essa posição foi tudo menos inocente porque, de acordo com a imprensa britânica, existe pelo menos um clube que está a ponderar sair da nova competição anunciada na noite deste domingo para ficar na Champions.

Senhores, cometeram um enorme erro. Alguns dizem que é ganância, outros arrogância. Ainda vão a tempo para mudarem de opinião, todos cometem erros”, comentou o presidente da UEFA.

Segundo o The Times (conteúdo fechado), um dos seis conjuntos da Premier League que acederam à Superliga Europeia e que assinaram o documento em 72 horas de loucos que foram descritas esta terça-feira pelo El Mundo está a ponderar deixar a competição ainda antes do início da mesma. Razões? As reações adversas que se fizeram sentir de variados quadrantes, o impacto que o anúncio da prova teve junto dos adeptos do clube e as ameaças deixadas por UEFA e FIFA que, a serem concretizadas, colocarão os 12 conjuntos em posição delicada.

Já o The Guardian, que cita um membro executivo de um clube contactado para entrar também na Superliga Europeia, avança que Manchester City e Chelsea estão nesta fase com algumas dúvidas em relação aos reais benefícios e prejuízos que a posição tomada poderá ter a breve e médio prazo. No caso do conjunto de Guardiola, que já veio também publicamente criticar o conceito de Superliga Europeia, apenas num dia houve centenas de pessoas a informar os serviços do clube de que iriam deixar de ser associadas dos citizens.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR