Três meses após o anúncio da separação, Bill e Melinda Gates ficaram oficialmente divorciados esta segunda-feira. O fundador da Microsoft e um dos homens mais ricos do mundo anunciou que se ia divorciar da mulher em maio, afirmando numa nota conjunta que a união de 27 anos chegara ao fim e que já não conseguiam “continuar a crescer como um casal”. O agora ex-casal conheceu-se na Microsoft em 1987 e casou em 1994.

Bill e Melinda Gates. O princípio, o meio e o fim de um casamento de milhares de milhões de dólares

O acordo do divórcio obedecia a um contrato de separação, que não é público, esclarece a CNN — fica por saber como será dividida uma das maiores fortunas do mundo. À exceção de que nem Bill nem Melinda vão ter de pagar pensão de alimentos, não se conhecem quaisquer detalhes financeiros da separação. De acordo com a Forbes, poucos meses antes do divórcio Bill Gates era a quarta pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna avaliada em 130,5 mil milhões de dólares (cerca de 107 mil milhões de euros). Sabe-se também que Melinda French Gates não planeia mudar o nome, isto de acordo com documentos legais.

Bill e Melinda, que estão à frente da fundação de filantropia “Bill and Melinda Gates Foundation”, afirmaram em maio, aquando do anúncio de separação, que iam continuar a trabalhar juntos. No entanto, a dupla ficará à experiência durante um período de dois anos, de maneira a determinar se ambos conseguem trabalhar em conjunto e de forma eficaz. Na eventualidade de tal não ser possível, será Melinda a deixar a fundação, recebendo fundos do ex-marido para continuar o seu trabalho a solo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Bill Gates. Relacionamento com uma funcionária e acusações de assédio poderão ter motivado divórcio e saída da Microsoft

Após a notícia da separação surgiram relatos de que Bill Gates terá saído do conselho de administração da Microsoft — em março de 2020 — devido uma relação com uma funcionária da empresa. Na altura, o bilionário justificou a saída da empresa para se dedicar a “prioridades filantrópicas”, mas, de acordo uma investigação do The Wall Street Journal, Bill Gates renunciou ao cargo antes que se conhecessem as conclusões de um inquérito destinado a averiguar o alegado relacionamento. Uma porta-voz de Bill Gates confirmou ao jornal que houve um “caso há quase 20 anos”, mas que acabou “amigavelmente”, descartando ainda que a decisão de abandonar o conselho estivesse relacionada com este assunto.

Além deste relacionamento, e segundo apontou o The New York Times, outras seis antigas e atuais funcionárias da Microsoft e da fundação acusaram o milionário de as assediar. Ao jornal, um porta-voz do bilionário norte-americano diria que muitas dessas alegações não correspondiam à verdade.