Obrigado por ser nosso assinante. Beneficie de uma navegação sem publicidade intrusiva.

Na segunda-feira demitiu-se a coordenadora, na terça-feira demitiram-se em bloco os responsáveis de equipas. A Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto vive dias conturbados, com os profissionais do serviço indignados com a ausência de resposta por parte da ARS Norte no sentido de resolver os problemas de funcionamento daquela unidade.

Segundo o Jornal de Notícias, na segunda-feira a coordenadora do serviço, Márcia Mota, formalizou o pedido de exoneração e, esta terça-feira, também os chefes de equipa apresentaram a demissão à Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte que, na tarde desta quarta-feira, informou que está agendada para a próxima semana uma reunião para discutir os constrangimentos nesta Urgência.

Um dos problemas que há muito estão a causar mal-estar entre os profissionais, segundo o diário, é as limitações nas transferências dos doentes para o serviço de internamento de retaguarda de urgência do Hospital de Magalhães Lemos, no Porto, e a aplicação dos critérios de referenciação para esta Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto (UMPP).

Porém, ao JN, a ARS Norte garante que o “Conselho Diretivo tem vindo a reunir-se e vai continuar a trabalhar com a coordenadora no sentido de se encontrar uma solução e de ver a possibilidade de se manter no cargo”.

Acesso ao serviço de Urgência Geral do hospital de Leiria limitado a partir das 22h00. Ordem dos Médicos fala em situação “insustentável”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na tarde desta quarta-feira, a ARS Norte informou, em comunicado, que está agendada para a próxima semana “uma nova reunião entre a Coordenação Regional para a Saúde Mental da ARSN e a Coordenação da Urgência Metropolitana de Psiquiatria do Porto (UMPP) com o objetivo de procurar soluções para alguns constrangimentos identificados nesta Urgência”.

A ARS diz ainda que teve sempre em conta o objetivo de “melhorar e qualificar esta tão importante Urgência para os cidadãos da área Metropolitana do Porto, adequando, na medida do possível, os recursos às necessidades”. “Trata-se de um modelo com mais de uma década de funcionamento, cuja necessidade de remodelação tem vindo a ser debatida”, acrescenta ainda a nota enviada à comunicação social.

(Artigo atualizado às 16h03 desta quarta-feira, com o comunicado da ARS Norte)