Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de um arranque de Campeonato da Europa de hóquei em patins conturbado mas apenas no plano desportivo, com a França a conseguir surpreender, a Itália a intrometer-se na luta e Portugal a superar a Espanha num encontro épico com 19 golos resolvido com reviravolta a 14 segundos do final, tudo passou a ser conturbado por razões que tiveram pouco ou nada a ver com a vertente jogada em si. Por um lado, a forma como Espanha e França cumpriram um pacto de não agressão de 50 minutos com um antijogo que mereceu críticas de variados quadrantes; por outro, os casos positivos de Covid-19 de Portugal.

Depois da vergonha de outros, o azar próprio: Portugal-Itália cancelado por dois casos positivos na Seleção

Ao final da manhã de hoje [sábado], após um dos atletas da Seleção Nacional apresentar temperatura axilar de 38ºC, foi ativado o Plano de Contingência Covid-19 da Seleção Nacional de hóquei em patins. A testagem de todos os elementos da comitiva resultou na deteção de dois casos positivos, que foram de imediato comunicados às autoridades de saúde, à DGS e à organização do Campeonato da Europa. Aguardamos orientações das entidades competentes”, anunciou a Federação Portuguesa de Patinagem.

“Sei que não estivemos no nosso melhor mas também sei que sempre que entramos em campo damos tudo e temos sede de vitória! Isso é motivo de orgulho, é algo que me faz dormir descansado e é esse exemplo que quero dar aos mais jovens que dão agora os primeiros passos nesta modalidade! Posto isto, e tendo a perfeita noção de que tinha uma medalha de bronze para disputar, iria mais uma vez entrar em campo de cabeça erguida e pronto a dar tudo pela minha pátria. Infelizmente, esta manhã, testei positivo à Covid-19. Estando impedido de jogar e de poder lutar pelas cores de Portugal, resta-me apoiar (à distância de uma televisão) os meus companheiros de equipa. Força família! Força Portugal”, tinha dito João Rodrigues nas redes sociais, sendo que o segundo caso, sem nome anunciado, era Henrique Magalhães.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O jogo acabou mesmo por ser cancelado, depois de a Itália ter recusado fazer testes como estava subscrito no protocolo. Ainda assim, os nove jogadores, técnicos e restante staff subiram ao rinque para agradecer a todos os presentes no Multiusos de Paredes, com Hélder Nunes a tomar a palavra. “Não podemos fazer nada. Estamos aqui em nome de Portugal, do hóquei em patins. A Federação que tudo fez para que todos os Europeus se realizassem… Sentimos que fomos a única Federação a querer realizar o Europeu. Demos o nosso melhor. O jogo que fizemos contra a Espanha mostra bem o caráter desta equipa, desta Seleção. E queríamos agradecer o apoio, daí estarmos aqui hoje de cara levantada. Queríamos mais, não foi possível. O terceiro também não foi possível por questões de saúde mas estamos aqui por vocês”, disse.

Espanha volta a ganhar Campeonato da Europa de hóquei em patins com triunfo no prolongamento

O Europeu, que acabaria por ser ganho no prolongamento pela Espanha frente à França entre assobios antes, durante e depois da final aos espanhóis, passaria ser já algo do passado mas esta segunda-feira surgiu mais um capítulo ainda relacionado com a competição e ligado ao mesmo Hélder Nunes, com o Barcelona a anunciar que também o número 78, a par de João Rodrigues, está infetado com Covid-19.

“Os jogadores João Rodrigues e Hélder Nunes testaram positivo à Covid-19 e estarão fora do jogo Barcelona-Noia, no domingo, dia 28. Ambos os jogadores, infetados durante o Campeonato da Europa, estão de boa saúde e confinados em Portugal. As autoridades sanitárias correspondentes decidirão quando é que os dois jogadores regressarão a Barcelona”, anunciaram os catalães em comunicado.