682kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Não limite os seus sonhos, há soluções

Este artigo tem mais de 6 meses

Existem sonhos e depois existem SONHOS: deixar de arriscar no que faz sentido por falta de dinheiro pode deixar-nos com o “e se” para sempre. Há soluções

Independente da idade que tem no momento em que está a ler este texto, certamente que já teve de guardar sonhos na gaveta: desde o brinquedo que viu um dia, num anúncio de televisão perto da altura do Natal, e que com 6 anos parecia que era o objeto que mais desejava na vida; desde a viagem de mochila às costas que adiou depois de terminar a escola secundária, à experiência de Erasmus que não fez; ao mestrado no estrangeiro que não integrou; à despedida de solteira da sua melhor amiga que apareceu mesmo em má hora; ao carro que não comprou e que teria sido essencial para aceitar uma oferta de trabalho mais longe geograficamente, mas muito bem paga.

É aquela sensação com gosto agridoce na boca e aperto na garganta que ninguém gosta de sentir e que se mantém no tempo até que fazemos as pazes com o “e se”, aquelas três letras que nos fazem suspirar pelo passado de forma pouco produtiva. Olhemos então para o presente, é aqui que pode escolher diferente. Quem diz sonhos, diz também adiar necessidades do momento: como fazer uma operação que lhe pode dar mais qualidade de vida depois de um diagnóstico médico mais chato; comprar um novo computador porque o último partiu-se; arranjar o motor do carro.

Atualmente, já não é arriscado como antigamente pedir um crédito: são, acima de tudo, bons instrumentos de gestão financeira se forem bem geridos. O consumidor está mais informado do que nunca e está mais capacitado para tomar decisões financeiras conscientes acerca das suas finanças. Com a idade, acresce um maior nível de maturidade em relação às nossas necessidades reais, que devemos analisar antes de avançar para qualquer tipo de crédito: quer pedir o crédito para satisfazer um impulso rápido de consumo ou para chegar mais perto dos seus sonhos?

Numa situação de aperto, pense primeiro, mas não pense de mais: estas soluções de financiamento, em que os bancos emprestam dinheiro aos consumidores, são simples, muito flexíveis e rápidas de aceder para quem precisa, em algum momento, de alguma liquidez para dar crédito a um sonho, ao sonho de um filho, a um projeto pessoal que já está a ficar com pó.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ora, assim que subscrever o crédito será importante ter atenção aos nossos hábitos de consumo: mais do que nunca vivemos na época da facilidade digital, fazemos tudo com o telefone à distância de um clique. Isto, para quem tem mais dificuldade em gerir o dinheiro que tem, pode ser uma armadilha: isto é, o problema não é inteiramente pedir um crédito para facilitar esta fase da sua vida, tem mais que ver com os hábitos associados à forma como utiliza os seus instrumentos financeiros.

Proteja-se de si (às vezes também é necessário) e limite a utilização do seu crédito para o propósito que o fez recorrer a esta ajuda extra; proteja-se a si porque o regulador tem vindo a implementar novas regras para proteger os consumidores. Exemplo disso são instrumentos de controlo como a taxa de esforço – que ajuda qualquer banco a perceber qual é o rendimento que o agregado familiar tem disponível para fazer face às despesas familiares diárias, após o pagamento das obrigações mensais do crédito. O regulador decidiu que esta taxa não pode ser superior a 33%, isto é, a um terço do rendimento total da família. Existe ainda a taxa de usura, definida trimestralmente pelo Banco de Portugal para cada tipo de crédito, e trata-se da taxa máxima de juro que lhe pode ser cobrada.

No banco Credibom, além de ser possível subscrever um seguro de proteção ao financiamento quando pede um crédito, de forma a torná-lo mais seguro e responsável (imagine, no caso de ficar desempregado), a rapidez de concessão do dinheiro e flexibilidade nas datas de pagamento são duas vantagens que fazem a diferença.

Sonhar é bom, mas fazer é bem melhor. Quer dar gás a um projeto pessoal? Procure o crédito pessoal, com financiamento até 75.000€. Precisa trocar de pneus ou de motor para conduzir em segurança? O banco Credibom tem à disposição um crédito automóvel para financiar compra de veículos novos ou usados – em 2022, ganhou um prémio na categoria de Financiamento Automóvel, pela Consumer Choice. A necessidade do momento é fazer obras em casa para torná-la mais funcional e adaptar as divisões à realidade da sua família? Ora, a pensar no bem-estar da família foi lançado o Crédito Obras e Pequenas Reparações com um teto máximo de financiamento até 50.000€. Pode ainda optar por Crédito Mobiliário e Decoração; Crédito Eletrodomésticos; Crédito Férias (não hesite quando a sua irmã decidir despedir-se da vida de solteira num destino fora de Portugal, há momentos que não se repetem na vida); Crédito Pessoal Simples.

Como vê, existem soluções para todas as necessidades e situações de aperto: não perca de vista o seu objetivo, proteja-se de si na utilização deste instrumento financeiro, mas nunca deixe de dar crédito aos seus sonhos, porque para “e ses”, já bastam os do passado. Faça a sua simulação aqui.

Saiba mais em
Dá crédito à liberdade

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.