Uma “surpresa fantástica”, lê-se no post, que continua a descrever que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, é responsável pela instalação de uma “fábrica de tecnologia 5G em solo brasileiro”. Só que a fábrica em causa já estava nos planos desde 2019 e não conta com financiamento público — não sendo, por isso, responsabilidade do governante, como se alega.

Comecemos pelo início, embora não seja esse o principal objeto deste fact-check. É desde logo falso que tenha sido construída uma fábrica de vacinas “em sigilo absoluto”. Esta informação também circulou isolada, nas redes sociais, e foi alvo de várias verificações de factos. É verdade que o Instituto FioCruz está a produzir vacinas contra a Covid-19, nomeadamente a da Universidade de Oxford/Astrazeneca, mas não é segredo que o processo de produção de vacinas inclui uma etapa de fabricação no Brasil.

Depois, a publicação indica que terá sido construída esta fábrica de tecnologia 5G em solo brasileiro e por iniciativa do Governo nacional, o que significa que o país irá descartar por completo a tecnologia chinesa da Huawei. Nenhuma das alegações é verdadeira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A publicação não cita quaisquer fontes para a informação que divulga, apoiando-se apenas numa imagem que remete para a tecnologia de 5G da Ericsson. Mas uma pesquisa por “Ericsson”, em conjunto com as palavras-chave “Brasil” e “5G”, mostram logo a informação que procuramos, e a origem deste boato.

A multinacional Ericsson inaugurou este ano, no Brasil, uma linha de produção de equipamentos de infraestrutura para a tecnologia 5G, em São Paulo. Não se trata de uma “fábrica de tecnologia de 5G”, mas antes de um equipamento onde se constrói a infraestrutra de apoio à tecnologia de última geração. Além disso, a obra não foi sigilosa, como se diz. Foi anunciada publicamente em 2019, e noticiada pela imprensa brasileira nesse mesmo ano.

Também não é verdade que o Brasil rejeite a tecnologia chinesa do 5G. O Ministro das Comunicações dizia isso mesmo em março deste ano. Fábio Faria não excluía a participação chinesa no leilão das faixas de frequência de 5G e, em janeiro de 2021, o governo brasileiro esclareceu que não vetava a participação de nenhuma empresa neste leilão. Ou seja, a Huawei ainda pode vir a ser fornecedora da tecnologia em solo brasileiro.

Conclusão

Existe, em território brasileiro, uma nova linha de produção da Ericsson que contribui, de forma indireta, para o desenvolvimento da tecnologia 5G, mas não conta com financiamento público nem foi construída em sigilo, sendo conhecida a construção desta infraestrura desde 2019. Também não é verdade que o leilão de 5G no Brasil esteja vedado à tecnologia chinesa e à Huawei, como o próprio Governo já confirmou.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:


ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

IFCN Badge