Rádio Observador

Crónica

A solidão das rãs 

Autor
  • Nuno Pires

Nos últimos anos, quando me sento na minha varanda rural olhando para a ribeira e a ponte, ouvindo o coaxar das rãs, fico com a ideia que naquele ambiente já falta vida, falta alegria, falta companhia

Nasci e cresci no meio rural,  numa pequena aldeia do concelho de Bragança, Frieira de seu nome, nas profundezas de um interior quase tão esquecido atualmente como antigamente, em termos relativos, claro. Não obstante lhe ter sido concedido, no passado, o foral de vila, deste estatuto pouco resta, salvo o bem conservado pelourinho, para além de um belo exemplar de uma ponte românica e respetiva calçada,  de um cruzeiro e do recuperado moinho de água, em pleno funcionamento.

Sendo atravessada por uma ribeira, outrora com água limpa, onde se bebia de “bruços”,  se pescava, nadava e até o cereal antes de se moído se lavava, sofre agora,  nos tempos modernos, dos efeitos desenfreados da poluição selvagem. Chamo-lhe “a minha ribeira”, pois relação com a mesma tem sido, ao longo da minha vida, muito particular e de uma “afetividade” invulgar.

A história da minha vida não poderia, com efeito, ser contada, sem que a ribeira aí estivesse integrada. As aventuras da minha iniciação à natação, as regas das hortas, o contemplar dos peixes, dos patos bravos, das galinhas de água, dos bovinos a beber no seu leito, das mulheres da aldeia a lavarem as roupas da família, tudo isso fez parte de uma meninice e de uma infância vivida na liberdade construída no ambiente natural, onde se brincava e vivia sem nada artificial, ou seja, em perfeita harmonia com a natureza e respeito por esta, mesmo sem nunca ter sido “menino”.

Ora,  sendo um defensor das origens e alimentando o “cordão umbilical” com as mesmas, ainda me desloco todas as semanas, desde a minha cidade, Bragança, à minha pequena aldeia, agora quase sem gente e sem a vida que antigamente a tornava “cheia”.

E se no meu recordar de outrora, vou comparando com o que ali acontece agora, não posso deixar de me referir à solidão das rãs. As minhas naturais vizinhas. Até pode parecer descabido, mas a solidão das rãs, parece-me uma realidade com sentido. Sobretudo nas noites de primavera e do verão, seria difícil não regozijar os ouvidos com o cântico daqueles dóceis anfíbios. Uma verdadeira orquestra dava vida à monotonia noturna do burgo. Algo que encantava o mais distraído que passasse nas imediações da ribeira, no largo junto à ponte, bem no centro da aldeia.

O coaxar romântico das rãs, que transmitiam o seu encantamento e davam voz à sua comunicação quando a água corria num ritmo lento,  estimulava o relaxamento das gentes após as duras jornadas de trabalho agrícola de cada dia seco e quente.

Sem menosprezar toda a dinâmica envolvente de outros agentes da natureza, que viviam e se desenvolviam num ambiente propício à sua preservação, as rãs tornavam-se na genuína identidade biológica da aldeia. Até dava a ideia que se sentiam verdadeiramente felizes por perceberem que as pessoas lhes prestavam atenção, quando se debruçavam na ponte para observarem os seus movimentos e ouvirem atentamente a sua canção, que emergia do leito da ribeira rompendo e inundando agradavelmente o silêncio da noite, cânticos esses, por vezes complementados com cantos das corujas, das rolas, ou das “castanholas” das cegonhas. E tudo isto, num ambiente naturalmente preservado e equilibrado,  que emergia e se desenvolvia em perfeita harmonia.

Porém, nos últimos anos, quando me sento tranquilamente na minha varanda rural, olhando para a ribeira e para a ponte, ouvindo o coaxar das rãs, fico com a ideia que ambiente já não é o mesmo que era. Parece que lhe falta vida, lhe falta alegria, lhe falta companhia. E, na verdade, companhia humana falta, sem dúvida, às rãs, a mim,  quando por ali ando e às poucas pessoas que ali vivem, ou melhor, sobrevivem. Uma pena… Um exemplo, aliado a muitos outros, em que a desertificação demográfica e o esquecimento a que continua votado o interior do país se torna confrangedor, não se vislumbrando políticas que contrariem o desequilíbrio em relação ao litoral, nomeadamente à concentração humana nas grandes urbes, onde as pessoas se acotovelam para sobreviverem, onde uma renda de casa de um mês daria para um ano inteiro no meio rural,  no nordeste transmontano.

Acredito que as rãs da minha aldeia se sintam sozinhas, sofram de solidão humana, não obstante a resiliência das poucas pessoas que ali continuam a resistir e também na solidão residir.

Todavia, acredito que felizes ficariam muitas crianças dos grandes aglomerados do litoral, que nunca viram uma rã,  se ouvissem o seu natural coaxar, ou se com as mãos nelas pegassem, se com liberdade no meio rural interagissem e na ribeira da minha aldeia pudessem brincar e perceberem como a natureza sustenta a vida se consegue gerar e “girar”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alimentação

Valorizar o Pão!...

Nuno Pires

Os agricultores devem ser referências a ter em conta, não só pela labuta produtiva, mas também pela inegável contribuição para sustentabilidade ambiental.

Comportamento

A memória curta!...

Nuno Pires
109

É muito mais fácil percebermos manifestações ingratas de memória curta do que ver alguém reconhecido a agradecer pelas oportunidades que lhe proporcionaram alegrias e bem-estar na vida.

Bragança

Bragança tem gente culta e fica aqui

Nuno Pires
249

“Bragança fica longe de Lisboa, é certo, mas também Lisboa de Bragança. Porém, estamos mais perto de Madrid, Paris, Salamanca, Barcelona e do resto da Europa”

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Crónica

Carta do Di Maria escrita por um médico português

Fernando Leal da Costa
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Crónica

O que fazer quando se fazem 50 anos /premium

Alberto Gonçalves
1.198

Se o que importa é o que fazemos com os anos, a verdade é que, nestes 50, fiz o que quis, o que pude, o que soube e principalmente o que calhou. Amanhã, faço 50 anos. E depois de amanhã, faço o quê?

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)