Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Era uma vez uma Cidade, que contava com 45 anos de existência e, como qualquer Cidade, tinha um lado Esquerdo, um Centro, e um lado Direito.

Um dia destruíram as nossas casas, aqui do lado Direito da Cidade, perto do Centro. Não é que houvesse muitas casas deste lado, a maioria da população vivia do outro, mas havia pelo menos duas. Rebentaram com as duas… Como se não bastasse, fizeram-no ao mesmo tempo: e agora? Agora não temos casa. Agora construíram outras, mais à Direita, e os que viviam aqui estão meio perdidos… Alguns mudaram-se para as novas, as tais mais à Direita, nem sempre porque gostem mais delas, mas porque não têm outra. Do lado oposto da Cidade, à esquerda, já só se constroem bunkers, começam a circular tanques, e aos poucos vão-se formando pequenos exércitos de intolerantes, que parecem querer acabar de vez com os 45 anos de convivência, respeito e moderação que marcam a história desta cidade dita Democrática.

A culpa não é só deles, dos tais intolerantes que vivem do lado esquerdo. É também nossa, que entregámos as nossas casas da direita a uns iluminados que consideraram ser preciso gente do outro lado para renovar e embelezar o nosso. Uns iluminados que quiseram ser quem não eram, quiseram agradar a todos, venderam-se ao populismo demagogo e desrespeitaram todos os que aqui encontravam uma identidade e um espaço. Quem tudo quer, (…) tudo perde. Os pequenos exércitos de intolerantes têm vindo a ganhar muita força, desde que se cruzaram com um General poderoso que precisava deles, um tal que ninguém sabe bem onde vive, ele próprio não sabe a sua morada, mas certamente será do lado esquerdo da cidade. Desde que o General e os pequenos exércitos se uniram, não param de nos atacar, a nós que vivemos do lado direito, parecem querer impor-se e só descansam quando mandarem na cidade toda.

Deste lado? Já não temos casa, se não a reconstruírem depressa, parece só restar-nos uma opção: ir fugindo mais para a Direita, para onde nem sempre queremos ir, mas ainda vai havendo quem nos respeite. Nós vamos fugindo, mas à medida que caminhamos, ficamos mais cansados, e cada vez menos tolerantes aos exércitos da esquerda. Um dia, eventualmente, tornamo-nos como eles: intolerantes. Depois, vocês já sabem… Não é preciso terminar a estória porque a História ensina-nos o fim.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR