Logo Observador
Família

8 aplicações para facilitar a vida às mamãs

1.046

A pensar nas mães ou futuras mães, reunimos um conjunto de aplicações para telemóvel que tornam tudo um pouco mais fácil, desde antes da gravidez até à amamentação.

Esta lista inclui aplicações para pôr o bebé a dormir, para saber quando e que medicamentos dar em caso de febre ou para controlar a amamentação, entre outas. Prova de que a tecnologia já se rendeu à maternidade (ou vice-versa?).

Pilin_Petunyia/iStock

1. Clue

É curioso pensar que existe uma aplicação que ajuda a engravidar, mas a verdade é que a Clue tem mesmo potencial para ser útil. Não só consegue prever as datas do ciclo menstrual, como os dias em que a probabilidade de engravidar é maior. A aplicação é bastante simples e atua como uma espécie de calendário: a título de exemplo, pinta a vermelho os dias de menstruação e coloca nuvens em cima daqueles em que a tpm é rainha. Para quem gosta de estar atento aos detalhes, é possível adicionar informações sobre emoções, dores, sono, energia e até vida sexual.

IMG_2883 (1)

Custo: Grátis
Compatibilidade: iPhone, iPad, iPod touch e Android

2. What to Expect

A ideia é acompanhar diária ou semanalmente a evolução da gravidez (para não falar do acompanhamento hora a hora, se for essa a vontade). Com base na data estimada do parto, a futura mãe recebe conteúdos personalizados, notícias relacionadas com a temática da maternidade e informações de saúde — há ainda a possibilidade de aceder e comunicar com uma comunidade de pessoas nas mesmas circunstâncias. Destaque para o facto de, à medida que o tempo passa, o desenvolvimento do bebé (ou o respetivo tamanho) ser deliciosamente comparado a diferentes tipos de fruta. E já depois de a criança ter nascido, a aplicação promete continuar vigilante ao dar respostas, conselhos e alguma (sempre precisa) orientação.

IMG_2893

Custo: Grátis
Compatibilidade: iPhone, iPad, iPod touch e Android

3. Contraction Master

Porque não um cronómetro para as contrações? O Contraction Master assume precisamente essa função e ambiciona agilizar um processo que, muitas vezes, não tem nada de ágil. Basta carregar num botão de cada vez que a contração começa e acaba, que a aplicação faz um registo automático da hora, duração e frequência dos movimentos que antecipam a chegada do bebé — é ainda emitido um aviso assim que chegar a altura de pegar nas malas e seguir para o hospital. Mais: caso queira partilhar o historial das contrações com alguém, a app consegue enviá-las em formato e-mail para qualquer destinatário.

IMG_2897

Custo: 1,99 euros
Compatibilidade: iPhone, iPad, iPod touch e Android

4. My Medela

A aplicação em causa quer ser uma espécie de perito em amamentação, disponível 24 horas por dia. E como? A My Medela permite monitorizar a amamentação e a retirada de leite — existem diferentes cronómetros cujos dados permitem criar estatísticas capazes de avaliar se alimentação do bebé corre dentro dos conformes. Além disso, ajuda a controlar o peso, a altura, o sono e a mudança de fraldas. Como se isso não bastasse, disponibiliza ainda respostas para as perguntas mais frequentes sobre amamentação, uma etapa que muitas mães dizem ser a mais complicada.

IMG_2895

Custo: Grátis
Compatibilidade: iPhone, iPad, iPod touch e Android

5. Cry Translator

Até parece mentira mas, pelos vistos, o smartphone é capaz de decifrar o choro do bebé. Como o nome indica, a Cry Translator compromete-se a analisar o choro do bebé e a diagnosticar o motivo de tantas lágrimas. Isto em apenas 10 segundos. Caso o bebé esteja com fome, sono, chateado, stressado ou aborrecido, esta app, que já recebeu distinções internacionais, será a primeira a revelar as razões do mal-estar do recém-nascido.

IMG_2896

Custo: 4,99 euros
Compatibilidade: iPhone, iPad e iPod touch

6. Sleep baby

O som do ventilador, do secador de cabelo ou do aspirador. Ou, porque não, o som do útero? A Sleep Baby reproduz todos estes barulhos (e mais alguns) para pôr o bebé a dormir. A aplicação é muito fácil de usar — com apenas um clique promete embalar a cria até esta adormecer — e aposta num grafismo descontraído e divertido. Os sons podem ser reproduzidos durante determinados períodos de tempo ou, então, indefinidamente.

IMG_2898

Custo: Grátis
Compatibilidade: iPhone, iPad e iPod touch

7. Febre-i-dor

O nome diz literalmente tudo: esta aplicação portuguesa calcula a dose correta de medicamentos consoante o peso da criança. O objetivo? Eliminar a febre de vez. Para isso, a app convida o utilizador a criar perfis para cada um dos filhos de modo a guardar o histórico de saúde dos mais pequenos. Outra funcionalidade são os alertas nos casos da toma de medicação periódica, além de que todas estas informações podem ser partilhadas com outros utilizadores autorizados, como tios, avós ou o próprio pediatra.

IMG_2899

Custo: Grátis
Compatibilidade: iPhone e Android

8. iSitter

Já não é preciso comprar um monitor para controlar os barulhos e os movimentos que o seu bebé faz quando não o está a ver, isto se a sua casa for dominada por dispositivos da Apple. O iSitter é um monitor que funciona com dois aparelhos iOS — como os tradicionais iPad, iPod touch ou iPhone. Enquanto um iPad fica no quarto ao lado do berço, por exemplo, o smartphone que leva na mão permite-lhe ficar atenta(o) à criança. O iSitter funciona por wifi, bluetooth ou mesmo a uma distância ilimitada usando a internet. A aplicação é muito fácil de trabalhar — ainda que, quando a experimentámos, foi mais fácil ouvir o que se dizia do lado de lá do que efetivamente ver a imagem.

IMG_2900

Custo: Grátis
Compatibilidade: iPad, iPod touch e iPhone

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Família

O cabanão (segunda crónica estival)

Maria João Avillez
205

Mas a quem preocupa hoje o esmorecimento do modelo tradicional familiar se ele é propagado como tendo passado de moda, saído de linha, estar “descontinuado”?

Família

O stress das férias

Laurinda Alves
994

Há clássicos eternos que podem ser evitados ou, pelo menos, minimizados se as prioridades forem bem geridas em férias. Nomeadamente se formos capazes de desligar telemóveis e computadores.

Família

Certificado de desordem (primeira crónica estival)

Maria João Avillez
1.593

Fui-me apercebendo que, se não me lembro de os meus pais se terem “ocupado” desta forma dos meus filhos, foi simplesmente porque não era, como hoje é, (quase) urgente fazê-lo. Era-se avó doutra forma.