Livros

Rentes de Carvalho e Cristina Branco vencem prémio da Sociedade Portuguesa de Autores

201

O escritor J. Rentes de Carvalho foi um dos galardoados pela Sociedade Portuguesa de Autores na gala de atribuição dos Prémios Autores 2017. Cristina Branco venceu o Melhor Álbum do Ano.

Natacha Cardoso / Global Imagens

O prémio de “Melhor Livro de Ficção” da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) foi atribuído ao romance O Meças, de J. Rentes de Carvalho, publicado em 2016 pela Quetzal. O anúncio foi deito na noite de quarta-feira durante a Gala da SPA dos prémios Autores 2017, no Centro Cultural de Belém, que contou com a presença do Presidente da República e do Ministro da Cultura.

Ainda na área da literatura, Anunciações, de Maria Teresa Horta, venceu o prémio de “Melhor Livro de Poesia”. De umas coisas nascem outras, de João Pedro Mésseder (com ilustrações de Rachel Caiano), foi considerado o “Melhor Livro Infanto-Juvenil”.

Rentes de Carvalho: “Somos um país de medricas, de gente subserviente”

Na categoria de “Melhor Disco”, a SPA premiou a cantora Cristina Branco, pelo disco Menina. O compositor Eurico Carrapatoso ganhou o prémio Autores 2017 de “Melhor Trabalho de Música Erudita” com a peça Magnificat em talha dourada. Os Capitão Fausto ganharam o “Melhor Tema de Música Popular”, com “Amanhã tou melhor”.

Nas artes visuais, Os meus Álbuns de Família um a um, de Lourdes de Castro, recebeu o prémio de “Melhor Exposição de Artes Plásticas”. Já o fotojornalista Alfredo Cunha foi distinguido pelo “Melhor Trabalho de Fotografia”, pela série O tempo depois do tempo, título da retrospetiva que se encontra patente na Cordoaria Nacional.

Joana Brandão e João Perry venceram o prémio de “Melhor Atriz” e “Melhor Ator”. No teatro, o “Melhor Trabalho Cenográfico” foi para A tempestade, uma adaptação de Fernando Alvarez da famosa peça homónima de William Shakespeare. Moçambique, de Jorge Andrade, ganhou a categoria de “Melhor Espetáculo”. O espetáculo Se eu vivesse tu morrias, de Miguel Castro Caldas, foi considerado o melhor “Melhor Texto Português Representado”.

[recorde aqui a atuação de Cristina Branco no Observador:]

O vencedor na categoria “Melhor Programa de Rádio” foi o Governo Sombra, da TSF. O prémio de “Melhor Programa de Informação” foi atribuído a Renegados, uma reportagem da jornalista da SIC Sofia Pinto Coelho sobre pessoas nascidas em Portugal às quais foi negada ou retirada a cidadania por causa da aplicação da lei da nacionalidade, que entrou em vigor em 1981.

Na categoria de “Melhor Programa de Ficção”o vencedor foi Terapia, da RTP 1, e na de “Melhor Programa de Entretenimento” foi Literatura aqui, concebido por Teresa Paixão para a RTP 2. O galardão de “Melhor Programação Cultural Autárquica” foi para a Câmara Municipal de Penafiel, que promove o festival Escritaria.

No final da cerimónia, foi ainda atribuído o Prémio Vida e Obra ao escritor António Lobo Antunes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site