António Costa

Dijsselbloem foi “racista, xenófobo e sexista”, diz António Costa

1.634

Primeiro-ministro diz que a "Europa só será credível enquanto projeto comum no dia em que o sr. Dijsselbloem deixar de ser presidente do Eurogrupo".

FELIPE TRUEBA/EPA

O primeiro-ministro António Costa diz que a “Europa só será credível enquanto projeto comum no dia em que o sr. Dijsselbloem deixar de ser presidente do Eurogrupo”. Numa reação dura às palavras do presidente do Eurogrupo, Costa considerou o discurso “racista, xenófobo e sexista” e garantiu que os povos a que o holandês se referia estão “profundamente ofendidos por estas declarações”.

As palavras do “Sr. Dijsseblbloem são absolutamente inaceitáveis”, afirmou Costa. “E são, também, muito perigosas, porque demonstram bem qual é o perigo do populismo e que o perigo do populismo não está só na coragem daqueles que assumem que o são. Mas está, também, naqueles que vestem pele de cordeiro e fazem discursos racistas, xenófobos e sexistas, como foi aquele discurso do sr. Dijsselbloem”.

Numa Europa a sério, o sr. Dijsselbloem já estava demitido. É inaceitável que uma pessoa que tem um comportamento como ele teve, uma visão xenófoba, racista e sexista sobre parte dos países da União Europeia possa exercer funções de presidência de um organismo como o Eurogrupo”.

“Estamos perante muitas ameaças e a essas ameaças temos de responder com mais unidade europeia. Unidade não se constrói estigmatizando uns contra os outros mas, pelo contrário, com respeito e um esforço de grande unidade. Portugal não tem lições a receber do sr. Dijsselbloem em coisa nenhuma. Portugal cumpriu escrupulosamente todos os seus compromissos com a União Europeia”, salientou António Costa.

“A Europa não se faz com Dijsselbloems“, rematou o primeiro-ministro.

Como perder o Eurogrupo em dois dias

António Costa acrescentou que “a Europa só será credível como projeto comum no dia em que o sr. Dijsselbloem deixe de ser presidente do Eurogrupo e haja um pedido de desculpas claro relativamente a todos os países e estes povos foram profundamente ofendidos por estas declarações”.

As declarações de Costa foram proferidas numa curta conferência de imprensa no Estoril.

Quanto ao relatório técnico do Banco Central Europeu, sobre as conclusões da missão da Comissão Europeia, que acusa Portugal de não estar a fazer as reformas estruturais, António Costa desvaloriza-o dizendo que “assenta em dados desatualizados”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Incêndios

Estado de calamidade permanente

Rui Ramos
2.075

A demissão da ministra não é a solução de todos os problemas. Mas seria a solução de pelo menos um gigantesco problema: a falta de responsabilidade e de vergonha na governação. 

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site