Chegou de fraque negro forrado a branco, a condizer com as luvas. E não largou a bengala (apenas por um momento em que a deixou cair e o segurança a devolveu). O músico britânico, Robbie Williams, dominou o palco do Rock in Rio no dia da abertura. E conseguiu levar 60 mil pessoas ao rubro. Mas não foram só as músicas e os passos de dança arrojados que prenderam o público a mais de uma hora de concerto. Robbie Williams falou para os portugueses, disse “obrigado” várias vezes. E mostrou que tem sentido de humor.

Robbie Williams entrou no palco e mergulhou no tema “Let me entertain you“. Só depois disse:

“Obrigado”.

Começou  a segunda música do alinhamento. Ajoelhou-se perante o público e fez um coração com os dedos das mãos. Já no final, voltou-se de frente para a banda e de costas para o público.

“Eles não querem ouvir, não querem saber disto”.

Enquanto cantou o tema “Moonsoon” voltou a comunicar:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Uma mão no ar”.

“Obrigada seus ‘fuckers’ lindos”.

Seguiu -se “We Will Rock You”, dos Queen.

“Obrigado a todos, estão prontos para ser entretidos? Eu comi tanto chocolate hoje, tanto chocolate. Tenho que queimar este chocolate todo esta noite. Quero que toda a gente diga: Robbie, não engordes outra vez.”

O público fez-lhe a vontade e repetiu. Ninguém queria voltar a ver Robbie “gordo”.

“Ok. Mas têm que me ajudar, têm que dançar comigo”

“Dançam comigo? Ok, vamos banda. Hey, digo-vos, o som é uma porcaria aqui em cima, mas vocês são maravilhosos! Aqui vai outra canção sobre mim”

Seguiu-se o “Come Undone“. O público ao rubro. A letra diz “and I’m your son”.

“Portugal, eu quero ser o vosso filho, ajudam-me?”

Salto para “Only to be with you”, dos U2. A plateia não parava de dançar.

“Toda a gente…. (refrão) outra vez… muito bem, muito bem, correu bem”

“Nós nunca fizemos isto! Estamos a fazer isto pela primeira vez e vocês estão a cantar pela primeira vez. Quão espectacular é isso???”

“Hey, pessoal, hey… pessoal [dirigindo-se para a banda]. Lembram-se daquilo que fazemos na minha casa? Porque não fazemos isso para as pessoas de Portugal?”

Dá um pulo do palco e diz à banda para fazer o mesmo. Apresenta um a um ao público. Na plateia soltaram-se gargalhadas.

“Quando estamos juntos, porque eu aborreço-me na minha casa em Inglaterra, e preciso de companhia, juntamo-nos e praticamos algumas musicas especiais. Gostavam de ouvir?”

O publico grita.

Boa, conseguimos! (diz à banda). Estão excitados? Eu também! Vamos fazer isto” (Dá instruções a cada um e cantam os quatro. O refrão é “we love to bounce”.

“Boa, foi bom! Cantores Especiais!”

“Agora é que este show podia atingir o topo da montanha. Mas vou experimentar outra coisa. Porque isto era tudo Rock and Roll do ‘velho’. Gostaram desta parte do espectáculo? Não sei se vocês, pessoas mais velhas, pessoas mais jovens ou algures pelo meio, conhecem por acaso uma canção que começa por: ‘Have you seen the well-to-do, up and down Park Avenue
On that famous thoroughfare, with their noses in the air’. [Refere-se ao tema Puttin on the Ritz, de Fred Astaire]

“Sim eles conhecem isto!!! Vamos cantar!! [diz à banda]”

“Obrigado”

Robbie Williams apresenta a corista que interpretou “Empire State of Mind”, de Alicia Keys e, de seguida,  lançou-se ao “New York, New York”, do Frank Sinatra. Terminou.

“Bem, já me lembrei do que ia fazer. Cantar!”

E virou-se para um elemento da plateia.

“Senhor: está à procura de problemas?”

E começou a cantar: “you´re looking for trouble, you came to the right place”, de Elvis Presley para passar imediatamente para o “Hit the Road Jack”, de Ray Charles. Não largou a bengala durante o medley.

“Esta é a primeira vez que faço um festival em, não sei, dez, doze anos. Estamos a ir bem? Aplausos para a minha banda, por favor”.

“De facto, a ultima vez que estive num festival, a próxima canção era um grande hit. Por favor juntem-se a mim se souberem a letra. Se não souberem, juntem-se a mim na mesma”

Cantou “Wonderwall”, dos Oasis. Passou mais de uma hora de concerto. Pediu que acendessem as luzes. Todos cantaram. Ele agradeceu.

“Obrigado”.

“Venham e segurem-me na mão… Quem vai ganhar a Campeonato do Mundo? Portugal? De certeza que não vai ser a Inglaterra…”

“Come and hold my hand”…começou a cantar, do tema “Fire“. O fim do concerto aproxima-se.

“Vocês foram espectaculares esta noite, obrigado ‘very very much’. Oiçam, todos vocês cantaram a Wonderwall muito alto. Mas vou ficar chateado se não cantarem a próxima mesmo, mesmo alto. Dedico esta canção a todos os que já morreram…”

“E, se não se importarem, ajudem-me a cantar esta canção e desejar-vos uma boa noite e muito obrigado. Venham ver um espetáculo nosso. Há muito tempo que não fazia um festival e e não calculei bem o quanto apertado ficava neste alinhamento”.

“Foi difícil. Eu sou um homem velho, velho e gordo! Digam: Robbie, não engordes outra vez! Eu vou tentar, mas não prometo. Eu adoro chocolate! Mas queimei um bocadinho esta noite”.

Para fechar o concerto, cantou “Angels“. E ajudou o público a ajudá-lo, dizendo cada verso por antecipação para o público repetir.

“Obrigado a todos, deus vos abençoe”

As luzes apagaram-se, acabou o entretenimento para milhares de pessoas. Robbie levantou poeira, e alguns já não ficaram para o concerto seguinte.