Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Horta Osório é o sexto banqueiro mais bem pago do mundo, de acordo com o ranking elaborado pelo jornal britânico Financial Times, com base nas remunerações obtidas em 2013: 9,1 milhões de euros. O salário do ex-presidente do Santander Totta é elevado, mas não consegue superar o vencimento anual de Cristiano Ronaldo.

O “bola de ouro” português recebeu 35,3 milhões de euros brutos no mesmo ano, segundo os dados revelados pelo Real Madrid em Fevereiro de 2014 e publicados no jornal Mundo Deportivo. A remuneração do futebolista é superior em 26,2 milhões de euros à do líder do Lloyds.

À frente do banqueiro português estão cinco norte-americanos, com Lloyd Blankfein, do Goldman Sachs, a liderar a tabela: 14,6 milhões de euros recebidos em 2013, mais 50% do que recebeu no ano anterior. Com esta subida, Blankfein  destronou John Stumpf, da Wells Fargo, o mais bem pago de 2012.

O líder português, ex-presidente do Santander Totta,  teve um aumento de 17% em 2013, tornando-se no presidente de um banco mais bem pago da Europa. A forma como geriu a instituição durante o ano passado fez com que as ações do Lloyds Banking Group se valorizassem mais de 60%, tornando-se no banco com melhor desempenho entre os 15 que integram o ranking dos banqueiros mais bem pagos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pela primeira vez em três anos, o banco registou lucros antes de impostos, o que acabou por facilitar o início da venda da posição de 39% que o Estado inglês assumiu durante a crise financeira. Para 2014, António Horta Osório pretende anunciar a distribuição de dividendos aos acionistas.

A média das remunerações dos 15 banqueiros que constam na listagem do Financial Times subiu 10% em 2013, quando comparada com a do ano anterior.

A média das remunerações dos 15 banqueiros que constam na listagem do Financial Times subiu 10% em 2013, quando comparada com a do ano anterior, tendo-se fixado em 9,5 milhões de euros, segundo os dados compilados pela Equilar, empresa norte-americana de pesquisa de remuneração de executivos.

O aumento deveu-se, sobretudo, à evolução registada na banca norte-americana, com a média dos lucros líquidos a subir 46% em 2013. Lloyd Blankfein, John Stumpt, Mike Corbat (Citigroup), James Corman (Morgan Stanley) e Brian Moynihan (Bank of America) auferiram entre 14,6 milhões e 9,6 milhões de euros.

Os espanhóis Francisco González, do BBVA, Javier Marín, do Santander Totta, e Ross McEwan, do RBS, encontram-se no fim da listagem, com rendimentos na ordem dos 4,9, 4,2 e 2,9 milhões de euros, respetivamente. Francisco González teve um aumento de 13%.