Ciência

Lua cor de mel: NASA destaca fotografia de português

395

A lua cor de mel de Lisboa... e de Miguel Claro. A fotografia do astrofotógrafo, tirada a 13 de junho, foi considerada "Imagem do Dia" pela agência espacial norte-americana.

A fotografia foi tirada a 13 de junho

Miguel Claro

Muitos observam o céu, mas poucos o fazem como Miguel Claro. Aos 36 anos, o astrofotógrafo viu uma fotografia sua ser destacada pela NASA — o feito, repetido pela sexta-vez, é um (claro) sinal de reconhecimento profissional. Apesar de ter sido tirada a 13 de junho, só a 21 do mesmo mês o site Astronomy Picture of the Day (APOD), ligado à respetiva agência espacial norte-americana, considerou o trabalho como “foto do dia”.

Miguel, que diz ser também astrónomo amador, captou o Cristo-Rei num cenário invulgar. Atrás deste ergue-se o percurso ascendente da lua, cujas tonalidades fazem uma viagem explícita, do encarnado carregado a um subtil dourado. A foto em questão é a imagem de uma sequência que retrata um lapso de tempo. A câmara fotográfica acompanhou o percurso da lua a cada minuto, durante cerca de uma hora. O resultado consiste na soma dos retratos e capta a chamada “lua de mel” (“honey moon” para os norte-americanos), o que corresponde à fase em que a última lua cheia antes do solstício de verão (dia 21 de junho, o dia mais longo do ano) está mais próxima da terra.

“A lua é 400 vezes mais pequena que o sol e está 400 vezes mais perto de nós. Está no infinito e, perante a minha câmara, vai ter sempre o mesmo diâmetro aparente. O mesmo não acontece com os objetos da terra, razão pela qual tive de me afastar o mais possível do Cristo-Rei de modo a criar a ilusão de uma lua de grandes proporções”, explica Miguel Claro ao Observador. A foto foi tirada numa rua em Algés, a seis quilómetros de distância do objeto alvo, isto é, do Cristo-Rei, que está a 128 metros do chão.

CristoReiFullMoonLinda-Velha-poster

Fotografias tiradas a 13 de junho – Miguel Claro

O sitio para recolher a imagem não foi ao acaso, mas sim o resultado de estudos intensos realizados pelo professor de física e astrónomo profissional Dr. Guilherme de Almeida, quem desafiou o fotógrafo a entrar na aventura. Outras fotos foram tiradas, a partir no mesmo local estratégico e no mesmo dia, também com recurso a um telescópio. Na verdade, e ao contrário dos restantes retratos, a fotografia distinguida surgiu de um imprevisto. “Não foi planeada, mas temos de estar preparados para os imprevistos e tentar aproveitar as ocasiões”.

A primeira foto de Miguel a ser destacada pelo APOD, que tem milhões de visualizações, data de 2007. Foi precisamente entre 2007 e 2009 que o percurso profissional do fotógrafo ganhou contornos mais sérios no que diz respeito à fotografia dos astros. No entanto, a paixão sempre esteve presente e o gosto pela astronomia andou, desde cedo, de mãos dadas com a fotografia. O astrofotógrafo explica porquê: é tudo uma questão de mostrar a estética da ciência, de misturar arte e factos comprovados num único resultado. O certo é que a dedicação imensa já gerou frutos. Miguel Claro é o autor do livro AstroFotografia – Imagens à luz das estrelas, fotógrafo da reserva Dark Sky Alqueva e formador em cursos e workshops na Fotonature.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)