Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na noite de 4 de março de 1943, Joseph Wright recebeu em Los Angeles o Óscar de Melhor Direção de Arte pelo seu trabalho no filme “My Gal Sal”. O oscarizado morreu em 1985 e agora a família decidiu vender a estatueta dourada em leilão. Depois de um comprador anónimo ter dado 58 mil euros por ela, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood vai processar todos os intervenientes no negócio.

Na queixa, com data de 1 de julho, a que o site Hollywood Reporter teve acesso, pode ler-se que a Academia reclama o direito de preferência na compra. Ou seja, se algum vencedor quiser vender o Óscar que conquistou tem de perguntar primeiro à Academia se quer comprar, pela módica quantia de um dólar (cerca de 70 cêntimos). Através da leiloeira Briarbrook Auctions, a família arrecadou 79.200 dólares (58 mil euros).

Esta não é a primeira ação judicial iniciada pela Academia. Desde 1951 que os vencedores são obrigados a assinar um contrato que lhe dá o direito de compra do Óscar por dez dólares (esse preço foi mais tarde reduzido a um dólar). De acordo com o Hollywood Reporter, as vendas de Óscares anteriores a 1951 também não se têm livrado de processos.

Joseph Wright venceu dois Óscares na sua carreira, ambos na mesma cerimónia, em 1943. O segundo foi arrecadado pelo seu trabalho no filme “This Above All”. Se a família também o quiser vender, já sabe quais as consequências.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR