Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Monumental. O palco da final de 1978 e Mario Kempes, El Matador. Mas comecemos pelo princípio. O canhoto jogava no Valência e até foi discreto na primeira fase de grupos — não marcou contra Itália, França e Hungria –, que acabou por ser bem encaminhada por Luque, Bertoni e Passarella. O avançado da farta cabeleira surgiu na segunda fase de grupos, como os campeões fazem na hora de levar as coisas para outro nível. Um bis contra a Polónia (2-0) e mais outro contra o Perú (6-0) chegariam para compensar o empate cinzento contra o Brasil (0-0). No outro grupo, a Holanda do austríaco Ernst Happel deixava para trás Itália (2-1), Alemanha Ocidental (2-2) e Áustria (5-1) e, assim, marcaria presença na final de Buenos Aires.

BUENOS AIRES, ARGENTINA - JUNE 25:  Argentinian fans throw rolls of paper all over the stadium as they wait for the start of the World Cup final between Argentina and the Netherlands 25 June 1978 in Buenos Aires. AFP PHOTO  (Photo credit should read STAFF/AFP/Getty Images)

Momentos antes da final entre Argentina e Holanda no Estádio Monumental, em Buenos Aires (STAFF/AFP/Getty Images).

“Quando a equipa entrou [no relvado] começaram a cair os ‘papelitos’. Para fazer uma comparação: parecia o Coliseu de Roma”, lembrou Kempes à ESPN, que já havia comentado a loucura que foi chegar ao estádio. As ruas estavam pintadas de azul-celeste, com bandeiras, gritos e buzinas. É arrepiante ver as imagens. Os argentinos não chegavam a uma final desde 1930, quando perderam com o Uruguai (2-4) no primeiro Mundial. Era histórico. Kempes até já tinha jogado quatro anos antes, com 19 anos, mas não festejou qualquer golo. A Holanda de Rinus Michels perdera a final de 1974 contra Franz Beckenbauer e companhia (1-2). Era tempo de ajustar contas com o passado.

(FILES) Photo taken on on June 25, 1978 of Argentinian forward Leopoldo Luque jumping to avoid the tackle of Dutch defender Erny Brandts in Buenos Aires, during the World Cup soccer final. Midfielder Mario Kempes scored two goals and forward Daniel Bertoni, one, as Argentina captured its first-ever World Cup title with a 3-1 victory in extra time over the Netherlands. Argentina celebrates on Wednesday the 30th anniversary of their first FIFA World Cup.  AFP PHOTO (Photo credit should read STAFF/AFP/Getty Images)

Luque evita o carrinho de Erny Brandts na final de 1974 (STAFF/AFP/Getty Images).

Ou então não. Depois de uma combinação entre Ardiles e Luque, a bola chegou a Kempes, que passou no meio de dois defesas vestidos de laranja-vivo e, em carrinho, encostou para o um-zero. O esquerdino correu de braços abertos para abraçar um estádio inteiro. Monumental. O golo chegava antes do intervalo para afastar 15 minutos de angustia e apreensão. Nanninga, qual mensageiro da desgraça, assinaria o empate apenas a oito minutos da glória. Foi de cabeça, à Jardel, se quiserem. Um belo golo.

“Não havia razão para virar louco. Havia um prolongamento pela frente”, disse Kempes, serenamente, na mesma entrevista. E percebe-se porquê. O seu segundo golo acabaria por ser o princípio do fim da estreiteza, do aperto. Bertoni tocou para o centro para Kempes, que, com uma leveza digna dos mais talentosos, deixou dois defesas no chão enquanto invadia a área inimiga. O canhoto tentou então enganar Jan Jongbloed, sem sucesso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

https://www.youtube.com/watch?v=E0ckp3hoodE

O guarda-redes não contava é com a vontade dos deuses, que, certamente, fizeram aquela bola ressaltar na sua cabeça depois de um toque na perna do avançado e pingar a menos de dois metros da fama. Mais rápido do que dois defesas, Kempes encostou com os dentes da bota: 2-1. “As pessoas ficaram loucas. Acho que estávamos predestinados a vencer aquele Mundial”, assegurou. Bertoni ainda marcaria o terceiro golo a cinco minutos da festa.

Kempes foi o primeiro camisola 10 da Argentina a ficar na história. A encantar e resolver. Maradona seguiu-lhe as pisadas em 1986 e Messi quer fazer o mesmo em 2014… Mas esta cantiga dos duelos com a Holanda não fica por aqui. Parece eterna. Em nove participações holandesas em Mundiais, os argentinos tropeçaram no seu caminho quatro vezes. Quatro.

Dutch midfielder Johann Cruyff dribbles past Argentinian goalkeeper Daniel Carnevali on his way to scoring a goal during the World Cup quarterfinal soccer match between the Netherlands and Argentina on June, 26, 1974 in Gelsenkirchen. Cruyff scored two goals to help the Netherlands defeat Argentina 4-0.        AFP PHOTO (Photo credit should read STF/AFP/Getty Images)

Cruyff deixou Carnevali para trás e marcou o primeiro da goleada por quatro-zero no Mundial de 1974 (STF/AFP/Getty Images).

Em 1974, a arte de Crujff atropelou os sul-americanos (4-0) — Kempes entrou ao intervalo. Em 2006 voltou a haver novo confronto, que acabou num penoso zero-zero. Pelo meio, aconteceu uma das narrações mais épicas dos Campeonatos do Mundo. Em 1998, Argentina e Holanda apertavam a mão para discutir um lugar nas “meias”. Kluivert, hoje adjunto de Van Gaal, adiantou cedo a Laranja (12′). Claudio López empataria pouco depois (17′). O drama prolongou-se até aos 89′, num momento que ficaria para sempre na memória de quem viu.

Frank de Boer conduziu a bola uns metros no seu meio-campo. A cabeça estava bem erguida, como sempre. A classe caminhava de mão dada com o canhoto. O seu pé esquerdo bateu então na bola, o destino era Dennis Bergkamp. O génio que tinha medo de andar de avião recebeu (uma barbaridade de receção!), tirou do filme Ayala e chutou com a parte de fora do pé. Que golo. O locutor holandês foi à loucura. Inesquecível.

Uma curiosidade: tanto em 1978 como em 1998, a Holanda contava com dois irmãos gémeos. Na final jogaram Willy e René van de Kerkhof; vinte anos depois, era a vez de Ronald e Frank de Boer. Conclusão desta lengalenga toda? A Holanda só perdeu na tal final de 1978. Depois venceu duas vezes e empatou uma. Kempes e Maradona já penduraram as botas. Cruyff e Bergkamp idem. Robben e Messi, o destino está nos vossos pés…