Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aos 33 minutos o Sporting já vencia por 2-0. O novo treinador, Marco Silva, apostou num onze de velhos conhecidos, dez jogadores que já estavam no plantel na época passada, onde apenas o espanhol Rosell foi “reforço”. Wilson Eduardo, na sequência de um canto, inaugurou o marcador com um vistoso, e eficaz, pontapé que fez com que a bola só parasse no fundo das redes do Belenenses. Os leões entraram muito mais fortes que os de Belém e, de livre, André Martins fez de forma irrepreensível o 2-0.

Veio o intervalo e Marco Silva decidiu mudar. Fez sete alterações, e dar oportunidade a quatro reforços, Tanaka, Paulo Oliveira, Slavshev e André Geraldes. A consequência foi um abrandar do ritmo. Geraldes acabou por ser protagonista no lance do golo dos homens da casa, na sequência de um canto, com a nuca, o defesa-direito marcou na própria baliza. 2-1, e fim da história.

Sporting e Benfica, que antes tinha batido o Estoril por 1-0, golo do estreante Talisca), jogam no domingo a final da Taça de Honra da AF de Lisboa, às 20h30. Antes, às 18h, Belenenses e Estoril decidem quem fica com os terceiro e quarto lugares.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR