Uma faixa específica para peões que enviam mensagens enquanto andam e outra onde os telemóveis são proibidos. A divisão está implantada numa parte da cidade de Chongqing, no sudoeste da China. A escolha da via mede-se pelo grau de risco que o peão quer correr, avisam os oficiais da cidade. Se o peão for “inconsequente”, se não tiver noção “do perigo que corre”, escolherá a via em que é permitido ter os olhos no telemóvel em vez do chão.

Um estudo da Universidade de Ohio, publicado em 2013, revelou que os ferimentos provocados por passear distraído estão a crescer nos EUA. Em 2010, as urgências dos hospitais americanos receberam 1506 pessoas com lesões provocadas pela distração do telemóvel, mais 256 do que em 2005.

Agora, foram escolhidos 30 metros para delimitar uma faixa dedicada aos peões que não largam o telemóvel. Na placa da zona pode ler-se: “Circulem nesta faixa por vossa conta e risco”. Os mais conscientes podem deslocar-se na via ao lado. A BBC já recolheu algumas reações à novidade. “Se eu receber uma chamada telefónica, tenho de saltar para o outro lado antes de atender?”, questiona um leitor. “Podiam era construir uma via específica para condutores bebêdos no futuro”, sugere outro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas a ideia já não é assim tão nova. Em Washington DC, nos Estados Unidos da América, esta via especial já está implementada desde julho para uma experiência social promovida pelo canal televisivo da National Geographic. Na cidade de Chongqing, o objetivo de escoar o “trânsito pedestre” parece não estar a ser cumprido, pelo menos enquanto a invenção for uma novidade. As ruas estão agora congestionadas com pessoas que param para tirar fotografias destas vias especiais.