Combatentes curdos que lutam contra o Estado Islâmico na cidade síria de Kobane, na fronteira da Turquia com a Síria, têm agora o apoio um de gang de motoqueiros oriundos da Alemanha. Os militares do EI estão a atacar a cidade há cerca de quatro semanas.

O Daily Mail explica que o Median Empire Motorcycle Club tem publicado imagens no Facebook onde alguns dos membros surgem com espingardas na mão e tendo como pano de fundo uma cidade devastada pela guerra. O clube é proveniente da cidade de Colónia e é o segundo gang do género, a seguir ao clube holandês No Surrender, a juntar-se às dezenas de milhares de curdos que estão em desvantagem e que são apoiados pelos ataques norte-americanos.

https://twitter.com/Nepareizais/status/524025864548151296

A notícia relativa aos motards alemães surge na sequência de uma outra que dá conta que três membros do grupo holandês não cometeram qualquer crime ao viajar para Kobane e juntar-se à luta contra o Estado Islâmico, isto porque os homens não estão a agir contra tropas holandesas nem estão envolvidos com reconhecidos grupos terroristas.

Numa das imagens tornadas públicas pelo grupo alemão é visível o respetivo logótipo — que mostra uma cara branca sobre um fundo negro — e a seguinte legenda: “Os nossos rapazes estiveram hoje em Kobane e disseram-me que dispararam contra eles, mas não aconteceu nada. Eles estão bem”. Quarto dias antes, o mesmo utilizador escreveu que enquanto outros falam, os “nossos rapazes estão na linha da frente”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo o mesmo jornal britânico, a página oficial de Facebook do gang diz que os motoqueiros viajaram para o Médio Oriente para ajudar. O facto é que várias imagens mostram os membros a distribuir comida à comunidade Yazidis naquilo que parece ser um campo de refugiados.

Diz ainda o Elite Daily que o Estado Islâmico disponibilizou um vídeo na semana passada, no qual um jihadista alemão promete destruir as forças ocidentais caso estas entrem no território do grupo. Em alemão diz: “Estamos à vossa espera há mais de 1,400 anos”.