Livros

A pseudociência mascara-se de ciência, mas sem provas

671

A pseudociência copia da ciência a linguagem e os padrões estéticos, mas falta-lhe o método científico e as provas. Apoia-se em figuras de autoridade para fazer valer os argumentos que alega.

David Marçal, pretende clarificar o que é ciência e o que se mascara como tal

D.R.

“A pseudociência é como se fosse um embrulho, um presente, que parece mesmo ciência – muito bonito, muito reluzente, com um laço perfeito -, mas depois abrimos e não está nada lá dentro. Faltam as provas”, diz ao Observador David Marçal, comunicador de ciência, a propósito do tema que escolheu para o livro da Fundação Francisco Manuel dos Santos – Pseudociência. O lançamento terá lugar esta sexta-feira no Pavilhão do Conhecimento às 18:30.

Embora rejeite muitas vezes a ciência e os factos provados cientificamente, a pseudociência acaba por usar a mesma linguagem e figuras de autoridade, como médicos ou cientistas, mas faltam-lhe as provas como frisa várias vezes David Marçal, tanto no livro como na entrevista que concedida ao Observador. “Na origem desta confusão entre ciência e pseudociência está o desconhecimento das características da ciência e do método científico”, refere o autor no livro. A ciência não é mito, não é crença e acima de tudo “não é infalível”.

No decorrer do processo de investigação científica que inclui: propor uma hipótese, testá-la, analisar os resultados e comunicá-los, podem ocorrer falhas. Mas toda a ciência pode ser refutada desde que para isso se apresentem provas, como aconteceu no caso mediático que associava a administração da vacina tríplice – sarampo, rubéola e papeira – ao desenvolvimento de autismo. A idade da vacina corresponde à idade em que se podem manifestar os primeiros sinais de autismo, mas “por duas coisas acontecerem ao mesmo tempo não quer dizer que estejam correlacionadas”, alerta David Marçal.

David Marçal - Livro Pseudociencia

No final, o livro apresenta um “manual de sobrevivência” à pseudociência – D.R.

O artigo que o médico britânico Andrew Wakefield conseguiu ver publicado na prestigiada revista médica The Lancet em 1998 apresentava algumas lacunas: a amostra era muito pequena – apenas 12 crianças – e nenhum grupo de cientistas conseguiu replicar e validar os resultados obtidos por Wakefield. Além disso, veio a provar-se que o médico tinha falsificado os dados e que estava a ser financiado por uma empresa de advogados que representava as famílias que queriam processar a indústria farmacêutica que produzia a vacinas.

“Este exemplo mostra que o processo científico é falível em todas as etapas. Mas a ciência não se baseia em não cometer erros, baseia-se na correção dos mesmos. E do ponto de vista científico, este erro acabou por ser corrigido”, esclarece o comunicador de ciência. Apesar disso, alguns grupos de investigação continuam a tentar associar as vacinas ao autismo. Mas até agora não ficou demonstrada qualquer relação entre os dois acontecimentos, como refere o estudo dos Centros para Controlo e Prevenção de Doenças, nos Estados Unidos, citado pela CNN.

Neste caso, o próprio Andrew Wakefield empolou uma situação que, caso não se tivesse provado fraudulenta, seria no máximo um estudo preliminar. Criou-se uma controvérsia que acabou por não ter fundamentação científica. David Marçal aponta outro caso de controvérsia artificial: as alterações climáticas. O comunicador de ciência afirma que não existem estudos científicos válidos que neguem as alterações climáticas. Segundo o último relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), não restam dúvidas que a quantidade de gases com efeito de estufa na atmosfera é cada vez maior, que estes gases são produzidos por atividades humanas e que a presença de gases com efeito de estufa aumenta a temperatura global do planeta.

Como David Marçal mostra no livro, tanto se criam controvérsias onde a maior parte da comunidade científica está de acordo como se aceita como cientificamente correto algo que não conseguiu reunir nenhuma prova científica – o caso da homeopatia. Um preparado homeopático é preparado a partir de “diluições infinitesimais sucessivas”. E “não são bebidos aos litros, mas em gotinhas, que podem ser escorridas para cima de umas bolinhas de açúcar (comprimidos)”, lê-se no livro. “Os remédios homeopáticos não têm razão nenhuma para funcionarem e não funcionam. O único efeito que tem é o placebo.” Num medicamento placebo, a sensação de melhoria é subjetiva e psicológica.

Algumas das substâncias usadas na homeopatia são muito divertidas e inócuas, como testículos de touro ou leite de cadela”, indica no livro David Marçal. “Mas outras são respeitavelmente tóxicas, como a beladona (uma planta cuja ingestão pode matar), o cádmio (um metal pesado extremamente tóxico), a noz vómica (planta de onde se extrai a estricnina), a cicuta (que causou a morte ao filósofo grego Sócrates), (…) o veneno de cascavel (Crotalus horridus) ou a hera venenosa (Rhus toxicodendron).”

Apesar de usar alegadamente ideias científicas, que a ciência refuta, a homeopatia recorre também a figuras de autoridade: a venda em farmácias, a regulamentação e legislação nacional ou a recomendação por médicos com formação convencional. Mas David Marçal alerta que a regulamentação legal das terapias alternativas não lhes confere validade científica, porque a legislação não se baseia em estudos que comprovem a eficácia. Outros, como as pulseiras magnéticas quânticas, tentam usar a linguagem científica para se tornarem credíveis. “Não com o significado correto, mas como um simples discorrer de palavras sem qualquer significado”, escreve o autor, citando expressões como “holograma quântico” ou “campo energético do corpo”.

Apregoar ciência torna os produtos vendáveis. “Estarão na memória dos leitores afirmações como ‘nove em cada dez dentistas recomendam’ uma determinada marca de pasta de dentes”, recorda David Marçal no livro. Falta saber qual o tamanho da amostra – 10, 100 ou 1.000 dentistas? Afirmações que não estejam comprovadas cientificamente e que se mostrem publicidade enganosa podem valer multas avultadas às empresas, como aconteceu à Danone por alegar que tinha iogurtes que regulavam o trânsito intestinal e outros que reforçavam o sistema imunitário.

O que está em causa não é se os iogurtes, quaisquer iogurtes, são um alimento saudável ou não. Nem se os probióticos podem ser usados como medicamento para tratar pessoas doentes. O que está em causa é se os probióticos, presentes nos iogurtes da Danone, consumidos nas quantidades diárias recomendadas pela empresa, podem ter um efeito de medicina preventiva em pessoas saudáveis. O fabricante nunca conseguiu demonstrar essa alegação”, lê-se no livro.

“Pela lei da oferta e da procura, o mercado dos milagres é uma coisa banal”, alerta David Marçal no livro. “Alguns são dirigidos ao segmento da salvação e prolongamento de vidas, pois garantem prevenir ou tratar doenças graves. Outros simplesmente prometem menos ruga ou fezes com uma consistência perfeita.” Neste mercado os produtos naturais aparecem no extremo oposto dos produtos químicos, como se se tratasse do bem e do mal. Mas o autor lembra que todos os produtos naturais resultam de uma reação química num determinado organismo e que nem todos os produtos naturais são assim são benéficos, basta pensar nalgumas drogas e venenos.

“Ao contrário dos remédios homeopáticos, que são placebos, os produtos naturais têm efeitos fisiológicos”, escreve o autor, acrescentando que em muitos casos os riscos da utilização destes produtos nunca foram avaliados. “Imagine o leitor uma farmácia em que a maior parte dos remédios não foi sujeita a ensaios clínicos para determinar a sua eficácia ou segurança. Não é preciso imaginar muito, basta visitar uma loja de produtos naturais.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)