Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os sintomas começaram há precisamente nove dias. Arrepios de frio muito fortes seguidos de calor e de febres muito altas. Chegaram aos 41 graus. Os medicamentos não dominaram a doença e João Pires acabou por ir às urgências do Hospital de Vila Franca de Xira. Acabou internado com a Doença dos Legionários. É um dos 59 infetados ali internados.

O telefone teve que tocar mais que uma vez para João Pires, 59 anos, atender a chamada da cama do hospital de Vila Franca de Xira, onde se encontra desde a última quarta-feira. Sente-se “muito melhor” mas tem tomado antibióticos das mais diversas formas “injeção, via intravenosa, medicamentos”, enumera. Com efeitos visíveis, garante. Um dia depois de um homem ter morrido vítima da bactéria Legionella, João sente-se melhor e encontra-se livre de perigo. Só não sabe quando regressará a casa. “Nem quero imaginar isso”, diz ao Observador.

João Pires mora na Póvoa de Santa Iria, uma das três freguesias afetadas pela doença que já atirou 120 pessoas para o hospital. Tem uma casa de fim de semana na Ericeira e, profissionalmente, faz trabalhos na área da construção civil.

“Não fiz nada de especial nas últimas semanas. Fui ao supermercado, ao café e trabalhei. Não frequento piscinas ou centros comerciais”, afirma.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Foi isso mesmo que respondeu à equipa de técnicos da Direção Geral de Saúde que já o visitou no hospital. A ele e a um outro doente que se encontra internado na mesma sala. Os técnicos estão a ouvir todos os infetados para encontrarem pontos comuns entre eles e perceberem como contraíram a doença. Só assim poderão tratar o local e evitar novos contágios.

“Já falei aqui com este doente. Ele mora perto de mim, mas não frequentamos os mesmos sítios”, diz João.

João é fumador e sofre de bronquite asmática. É, por isso, uma das pessoas que integra o grupo dos mais vulneráveis, de acordo com a Direção Geral de Saúde.

“Não tenho dores propriamente. Ao início sentia os calafrios. Depois a febre entre os 39 e os 41 graus e uma grande dificuldade em respirar. Foi o que custou mais”, recorda.

A mulher de João Pires deixou de beber água da torneira. E é o único cuidado adicional que tem desde que o marido foi internado.

A Direção Geral de Saúde vai fazer um balanço do caso do surto de Legionella pelas 16h00 deste domingo.