A principal perita da Organização das Nações Unidas em direito à alimentação, Hilal Elver, garantiu que os países com uma epidemia de ébola — Libéria, Serra Leoa e Guiné-Conacri — estão “à beira de uma grave crise alimentar”.

Nestes países existem mais de um milhão de pessoas que precisam de ajuda para amenizar a falta de produtos básicos, disse em Genebra a relatora especial da ONU para o Direito à Alimentação. A agricultura é a principal atividade económica na África Ocidental, onde dois terços da população dependem dela. Neste contexto, “o fecho de fronteiras, a redução do comércio internacional, a descida do investimento estrangeiro e a diminuição do poder de compra de dezenas de milhares de famílias já vulneráveis deixa estes países em uma situação muito precária”, disse Elver.