Terminou a ocupação de algumas linhas e já está desimpedida a circulação de comboios em Sta. Apolónia e na Linha do Norte, na zona do Entroncamento.

Pelo menos dois comboios estiveram parados na estação de Sta. Apolónia, em Lisboa, e na Linha do Norte, também aconteceram perturbações na circulação. Após terem estado reunidos em plenário, trabalhadores da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) decidiram ocupar as linhas.

Ao Observador, Abílio Carvalho, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF), explicou que os trabalhadores ocuparam as linhas 1 e 2 na estação de Sta. Apolónia, o que fez com que um Alfa Pendular e um Intercidades ficassem retidos. Abílio Carvalho confirmou que também no Entroncamento, na Linha do Norte, alguns comboios não passaram devido a uma ocupação parcial da linha, uma situação confirmada pela CP. Fonte oficial da empresa adiantou que o Intercidades que ficou retido em Sta. Apolónia circula agora com cerca de meia hora de atraso enquanto que o Alfa Pendular está cumprir o horário previsto. Os trabalhadores reclamam, disse Abílio Carvalho, contra a intenção do governo, contida no Orçamento do Estado de 2015, de privatizar a empresa EMEF.

Filipe Marques, outro elemento do SNTSF, confirmou o receio de um despedimento coletivo após privatização. “A empresa em causa é responsável pela manutenção e asseguram a fiabilidade da circulação dos comboios. Somos como a oficina dos caminhos-de-ferro. Estamos aqui em sinal de protesto contra a intenção de privatização que consta no Orçamento do Estado para 2015”, começou por dizer. “Estivemos 150 a bloquear a linha, de uma forma ordeira, para mostrar indignação. A polícia compreendeu”. Filipe Marques disse ainda ao Observador no local que está agendada uma ação de protesto para dia 4 de dezembro, que passará por uma marcha entre a sede da EMEF, na Amadora, e o centro Lisboa.