Psicologia

O que a sua cama diz sobre si

4.259

Não costuma fazer a cama de manhã? Sabe que isso pode querer dizer que tem baixa auto-estima? Ou quer uma terapia para melhorar a capacidade de organização?

Pessoas que fazem a cama tendem a ser mais organizadas e perfecionistas

AFP/Getty Images

É daquelas pessoas que não consegue sair de casa sem fazer a cama? Ou só costuma fazer a cama à noite na altura em que se quer deitar? Eva Hidalgo, psicóloga, explica ao El País que há duas maneiras de descrever as pessoas que fazem ou não fazem a cama. As primeiras tendem a ser mais “ativas, perfecionistas e organizadas. Têm objetivos e valorizam o trabalho e o esforço.” As que não fazem “são mais reativas, deixam-se levar pelas tarefas em vez de as gerirem. E procrastinam. Tudo isto pode influenciar de maneira negativa a sua auto-estima.”

“Só faço a cama em alguns fins de semana para ter o quarto com um ar mais arrumado. Mas de manhã nem sequer me lembro de fazer a cama, quando me levanto já tenho o tempo contado. É uma mistura entre preguiça, falta de tempo e esquecimento”, conta ao Observador Inês Fonseca, que é gestora de recursos humanos numa guest house. “Deixo os lençóis sempre para trás, são mudados regularmente e a janela fica aberta. Não considero que seja falta de higiene não fazer a cama”, acrescenta.

A Universidade de Kingston, em Inglaterra, parece dar-lhe razão, um estudo recente conclui que o melhor para lutar contra os ácaros é “não fazer nada”. Isso, o melhor é não fazer a cama. Stephen Pretlove, autor do estudo, explica que os ácaros que se encontram nas nossas camas surgem principalmente causados pelo suor que libertamos enquanto dormimos e que, por isso, se não se fizer a cama e se se deixar a cama aberta será mais fácil que os lençóis sequem e a comunidade que lá habita morra.

Maria Simões, que trabalha no Sheraton, não segue definitivamente as conclusões deste estudo. “Fazer a cama é como lavar os dentes, tem que ser todos os dias”, diz ao Observador. Mesmo com os horários complicados a que o trabalho num hotel obriga, Maria explica que, quer entrando às 6h, ou às 15h, a rotina matinal é sempre a mesma: “De manhã faço sempre a cama. Muito raramente não faço. É muito complicado para mim sair de casa com a cama por fazer. Acho logo que a casa não está limpa e dá a sensação que os lençóis estão demasiado usados e então tenho que os trocar logo.”

Pedro Ojeda, coordenador da Sociedade Espanhola de Alergologia e Imunologia, garante no El País não haver estudos suficientes que comprovem a teoria de Kingston. Esta sociedade espanhola dá empate à competição entre a Maria e a Inês, conclui que fazer a cama ou não fazer não tem qualquer influência na melhoria dos sintomas de alergias.

Fazer a cama diariamente é uma questão de hábito, a maioria das vezes incutido desde a infância, reconhece a psicóloga Eva Hidalgo. Maria Simões concorda: “Fui assim educada desde sempre. Era uma regra. Mesmo tendo empregada todos os dias que fazia as camas, se ela não estava eu tinha que fazer. Lembro-me da minha mãe ir verificar e às vezes desfazer porque não estava bem feita.”

Segundo a psicóloga espanhola, fazer a cama marca o final do tempo de descanso e o início do dia e começar o dia a fazer a cama “fomenta a sensação de ter a capacidade de organização”. Por isso, é prática aconselhável para quem tem baixa auto-estima de maneira a “evitar a apatia e trabalhar na capacidade de controlar a própria vida. Embora não se considere uma terapia é um bom exercício para melhorar a autovalorização.”

Inês explica que não lhe faz “confusão nenhuma ver camas por fazer”. “Sinto-me muito melhor quando entro num quarto com a cama feita, imagino que quem entra no meu quarto tenha a sensação inversa”, diz. Já Maria acha “divertido”. “Dá-me vontade de rir perceber que há pessoas tranquilas em relação a isso”, conta.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Psicologia

Mais vale prevenir do que remediar /premium

Teresa Espassandim

É crítico que as pessoas à frente de organizações tenham apoio para desenvolverem competências de gestão do stresse, de gestão do tempo, de gestão emocional, de liderança... 

Psicologia

O outro lado das resoluções de ano novo /premium

Teresa Espassandim

Sejamos honestos: não há qualquer problema com as resoluções de ano novo e, mais ainda, pode até ser prenúncio da vontade em mudar algo nas nossas vidas, com envolvimento, compromisso, risco, esforço.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)