Foi numa conversa telefónica com o Expresso (conteúdo de acesso reservado a assinantes), a meio da tarde desta sexta-feira, que José Sócrates disse como se sente: “Só deixa de ser livre quem perde a dignidade. Sinto-me mais livre do que nunca”. Não respondendo a perguntas relacionadas com as suspeitas dos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, o antigo primeiro-ministro garantiu que está “bem-disposto e muito animado”.

Sócrates esteve reunido com o advogado, João Araújo, no Estabelecimento Prisional de Évora, onde permanece em prisão preventiva, e foi depois dessa reunião que ligou ao jornal, revelando que retomou a rotina desportiva e que tem passado muito tempo a ler.

O Expresso conta também que foi um dos filhos de Sócrates que o avisou da investigação do Ministério Público, designada por “Operação Marquês”. A casa desse filho foi um dos alvos das buscas dos agentes da Autoridade Tributária e da PSP, na quinta-feira, dia 20 de novembro. As autoridades apreenderam o computador pessoal do jovem, que depois ligou ao pai, José Sócrates, que estava em Paris. Em declarações ao jornal, o advogado João Araújo contou que falou com o cliente nessa mesma noite e foi para a capital francesa ter com o antigo primeiro-ministro.