Chernobyl é uma incógnita para quase toda a gente. A cidade, onde viviam cerca de 50 mil pessoas, é um deserto desde que, há cerca de três décadas, uma central nuclear explodiu. O acidente, que ocorreu a 27 de abril de 1986, matou 31 pessoas, espalhou partículas de radiação e obrigou a um abandono por parte dos que lá viviam, como lembra o Guardian.

Agora é possível visitar Pripyat, a cidade mais perto de Chernobyl, sem sair do sofá, graças a um vídeo de Danny Cooke, um operador de câmara que esteve na região para filmar uma reportagem do programa “60 Minutos”, da CBS. As imagens impressionam. E arrepiam pela devastação e ausência de vida, movimento e cor. A música escolhida para o vídeo é “Promise land”, de Hannah Miller.

“Chernobyl é um dos lugares mais interessantes e perigosos onde estive. O desastre nuclear, que aconteceu em 1986 (um ano depois de eu nascer), teve impacto em muitas pessoas, incluindo a minha família quando viveu em Itália”, escreveu o autor do vídeo, na conta Vimeo onde publicou as imagens captadas por um drone.

“Durante a minha estadia conheci pessoas incríveis, uma delas foi o meu guia Yevgen. Passámos a semana juntos a explorar Chernobyl e a cidade abandonada de Pripyat. Havia algo de sereno, embora muito perturbador sobre este lugar. O tempo parou e há memórias de acontecimentos passados a flutuar à nossa volta”, escreveu Cooke.