O medo de falhar pode ter impedido os portugueses de lançarem negócios. Em 2013, 48,2% dos portugueses que consideravam existir boas oportunidades para empreender na zona onde residem, nos seis meses posteriores a uma sondagem efetuada para o Global Entrepreneurship Monitor (GEM), afirmaram que o receio de falhar era um fator desmobilizador – um valor superior ao da globalidade das economias orientadas para a inovação (43,2%), onde se inclui Portugal, diz o estudo.

Entre 2007 e 2012, registou-se um agravamento da tolerância dos empreendedores portugueses face ao risco. Ou seja,“o medo de falhar e o estigma associado ao fracasso são comummente apontados como obstáculos comportamentais à atividade empreendedora“, lê-se no estudo divulgado esta quarta-feira.

empreendedores-receio

O que poderá estar na origem deste agravamento? Ao contrário do que era esperado pelos investigadores, a conjuntura económica de recessão que se viveu no país poderá ter causado um retraimento da iniciativa empresarial, segundo o GEM.

“Poder-se ia esperar que o progressivo empobrecimento da população ao longo dos últimos três anos e a crescente escassez de emprego dependente conduzissem a uma atitude menos receosa face ao risco”, lê-se no estudo.

Os investigadores apontam ainda que numa situação em que existe menos a perder, porque há menos riqueza e menos oportunidades de trabalho dependente, o risco é menor, o que deveria diminuir o receio de falhar. Mas não foi isso que aconteceu. “Em Portugal, regista-se precisamente o fenómeno inverso”, diz o estudo, explicando que esta conclusão parece apontar para que exista um hiato “altamente significativo” entre as condições de vida de um país desenvolvido e a generalidade dos países não desenvolvidos.

“Parece haver em Portugal a consciência generalizada de que ainda há algo a perder, consciência essa que está ausente em economias em estados de desenvolvimento mais incipientes”, lê-se.

A atitude dos portugueses face ao risco de insucesso nos negócios foi analisada no âmbito do GEM, que em Portugal foi promovido pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa e pela Sociedade Portuguesa de Inovação.

O GEM é uma avaliação periódica da atividade empreendedora, que analisa aspirações e dificuldades dos indivíduos em mais de 70 países, englobando 75% da população mundial e 89% do PIB mundial. É o maior estudo internacional sobre dinâmicas empreendedoras.