Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 2013, a taxa de crescimento do investimento em investigação e desenvolvimento /I&D) das empresas sediadas na União Europeia caiu 4,2 pontos percentuais em relação ao ano anterior. Estas são as conclusões divulgadas pelo Painel Europeu sobre o Investimento em I&D Industrial de 2014 da Comissão Europeia, que analisa as 2.500 maiores empresas a nível mundial, representando cerca de 90% do total das despesas das empresas em I&D.

No ano passado, o investimento cresceu 2,6%, mas não foi suficiente para alcançar a média global de 4,9%. O valor também ficou abaixo da das empresas estabelecidas nos Estados Unidos (5%) e no Japão (5,5%). Os dados mostram que as empresas da UE investiram 162,4 mil milhões de euros em 2013, ao passo que as empresas sediadas nos EUA investiram 193,7 mil milhões de euros e as sediadas no Japão (387) 85,6 mil milhões de euros.

Segundo Carlos Moedas, comissário da Investigação, Ciência e Inovação, o resultado deve ser relativizado pela situação económica da União Europeia. “Apesar da difícil conjuntura económica, as empresas da UE continuam a investir em I&D. Esta é uma boa notícia, mas é preciso mais para nos mantermos ao nível dos nossos concorrentes. Com recursos públicos limitados, atrair o investimento privado em I&D torna-se ainda mais importante”, afirma em comunicado de imprensa.

Moedas é otimista em relação ao futuro. “Agora estamos prontos para melhorar o nosso desempenho. O plano de investimento de 315 mil milhões de euros, apresentado pela Comissão e pelo Banco Europeu de Investimento, contribuirá para mobilizar mais investimento privado para os projetos de maior risco, beneficiando a I&D em toda a Europa”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta opinião é corroborada por Tibor Navracsics, comissário da Educação, Cultura, Juventude e Desporto. “Para acompanhar os nossos concorrentes a nível mundial, precisamos de fomentar o investimento, devendo este beneficiar uma vasta gama de disciplinas e setores de investigação. A construção de uma economia do conhecimento exige bases sólidas, pelo que contamos com os nossos parceiros da indústria para nos ajudar nestes esforços”, garante Navracsics.

Alemanha e Reino Unido puxam os investimentos em I&D na União Europeia

TO GO WITH AFP STORY BY ARESUE EQBALI (FILES) -- File picture dated September 30, 2008 shows robots working on an Iranian-made Samand car at the Iran Khodro auto plant, west of Tehran. Neither West, nor East" was the slogan adopted after the Islamic revolution 30 years ago, but the call for self-reliance has yielded mixed economic results and oil-rich Iran still battles for prosperity. The Islamic republic is OPEC's second largest oil producer and it sought economic growth by investing heavily in its scientific programmes, but it also burdened itself with imports worth billions of dollars.  AFP PHOTO/BEHROUZ MEHRI (Photo credit should read BEHROUZ MEHRI/AFP/Getty Images)

Os investimentos do setor automóvel aumentaram 6,2% em 2013.

De acordo com os dados do painel, 97% do investimento total em I&D é realizado por empresas estabelecidas em dez países, sobretudo pela Alemanha, França e Reino Unido, cujo investimento representa mais de dois terços do total. Na Alemanha e no Reino Unido, o investimento das empresas continuou a crescer acima da média (5,9% e 5,2%, respetivamente), enquanto as empresas francesas registaram um decréscimo no investimento em I&D (-3,4%).

A queda no investimento por parte de algumas das grandes empresas da UE afetou de forma particular a taxa de investimento em I&D do seu país. Foi o caso da Nokia (-17,1%) ou da STMicroelectronics (-19,2%), que tiveram um impacto significativo sobre o investimento global da Finlândia (-11,6%) e dos Países Baixos (-0,1%), dois dos dez primeiros países da Europa.

O fabricante de automóveis Volkswagen, sediado na UE, lidera a classificação mundial pelo segundo ano consecutivo, com um investimento total em I&D de 11,7 mil milhões de euros, um aumento de 23,4%. O segundo e o terceiro lugares da classificação são ocupados pela Samsung (Coreia do Sul) e pela Microsoft (EUA). Outras empresas da União Europeia que  ocupam o top 10 são a Novartis (5º), Roche (6º) e Daimler (10º).

O setor automóvel, em que os investimentos aumentaram 6,2%, representa um quarto do total do investimento em I&D das empresas do painel da UE. Os setores de alta tecnologia, como a indústria farmacêutica, o hardware, os bens de equipamento e engenharia industrial, completaram o top 4, mas registaram um crescimento mais fraco, o que reduziu a média geral do investimento em I&D na Europa.