O Presidente da República pediu aos portugueses que vão mais longe na celebração do Natal e tornem permanentes valores como a concórdia e a solidariedade, dando especial atenção “aos mais frágeis e vulneráveis” o ano inteiro.

Na tradicional mensagem de Boas Festas do Presidente da República, Cavaco Silva, e da mulher, Maria Cavaco Silva, o chefe de Estado sublinhou que “o Natal é um tempo que convoca a união das famílias e amigos” mas pede que se vá “mais longe na sua celebração”.

“Queremos que a paz esteja com os homens não só agora. Queremos que o esforço de concórdia entre os Povos seja permanente. Queremos que a solidariedade e a partilha sejam mais fortes nesta época do ano, mas que permaneçam ativas ao longo do tempo”, pediu Cavaco Silva.

Na mensagem, gravada na Sala das Bicas, no Palácio de Belém, e disponibilizada no site da Presidência da República, o Presidente apelou a que estes valores durem o ano inteiro. “Queremos pensar nos mais frágeis e vulneráveis: as crianças, os desempregados, os mais velhos. Mas devemos fazê-lo também o ano inteiro, refere.

Maria Cavaco Silva chama a atenção para aqueles que estão afastados dos que mais amam e dos que trabalham na época do Natal, “tantos voluntariamente, para dar conforto e calor humano aos que dele precisam”, manifestando a todos eles “apreço e gratidão”.

O Presidente da República deixa ainda uma palavra para os emigrantes portugueses, que “por muito longe que estejam, têm sempre os seus e o seu País no coração”. “A todos queremos deixar uma palavra amiga, de coragem e de esperança, confiantes de que saberão vencer as dificuldades. Desejamos a todos os Portugueses um Feliz Natal e um Ano de 2015 com saúde e mais prosperidade”, termina Cavaco Silva, na mensagem gravada junto à árvore de Natal no Palácio de Belém.