O presidente da Associação Brasileira de Portugal, Ricardo Pessoa, considera que a Presidente Dilma Rousseff terá muitas dificuldades em cumprir as metas que traçou para o país, embora espere que o segundo mandato se torne uma surpresa. “Com o Brasil nas condições em que ela [Dilma Rouseff] deixou [no final do primeiro mandato], não é fácil chegar onde ela quer. Espero que este Governo seja uma surpresa para todos nós”, sublinhou o representante da maior comunidade estrangeira em Portugal.

Na tomada de posse do seu segundo mandato como Presidente do Brasil, Dilma Rousseff destacou a educação como prioridade para os próximos anos e prometeu um Governo mais transparente, nomeadamente através de um reforço da criminalização da prática de corrupção no país.

O brasileiro radicado em Portugal lembrou que a população brasileira está insatisfeita com o rumo do país, defendendo que esse sentimento ficou com provado pela ausência de multidões na tomada de posse, em Brasília. “A população brasileira não está satisfeita (…) isso também se viu pelo facto de não estarem milhões de pessoas, como se prometia, em Brasília. Continuam por resolver problemas muito sérios. O povo continua a pedir mudanças”, referiu.

Uma insatisfação que ficou do primeiro mandato, já que Dilma Rouseff não “atendeu às carências da população”, tendo-se mantido os problemas “em sectores como a segurança pública, a saúde hospitalar, o tráfico de droga e de armas”. Ainda assim, o representante dos brasileiros em Portugal acredita que o Brasil se poderá tornar um país quase independente do resto do mundo, graças à tecnologia da empresa estatal de petróleo Petrobras. Segundo Ricardo Pessoa, a experiência que a Petrobras tem de extração em águas profundas irá fazer do Brasil “um país praticamente independente do mundo”,

Em 2011, no discurso de posse de seu primeiro mandato, a Presidente do Brasil considerou a Petrobras como um “símbolo histórico da soberania brasileira na produção energética e do petróleo” e assegurou que a empresa seria um “passaporte para o futuro” do país. No entanto, a Petrobras foi alvo de vários escândalos de corrupção que levaram as suas ações a desvalorizarem quase 40%.

“O Brasil tem tido um problema muito grande de corrupção”, admitiu o presidente da Associação Brasileira de Portugal, referindo que o “escândalo da Petrobras tem vindo a atrapalhar o Brasil”. Apesar disso, Ricardo Pessoa que o petróleo é um modo de catapultar o Brasil, país que considera poder ser “a maior potência mundial” e que em breve “não precisará [do exterior] e será o maior produtor” de crude.

A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, anunciou quinta-feira que o lema do seu segundo mandato será “Brasil, pátria educadora”, ressaltando a ênfase que pretende dar à educação e prometendo ainda um reajuste fiscal e uma reforma política.