O tribunal revela hoje a matéria provada no julgamento do processo contra o ex-inspetor Gonçalo Amaral pelos pais de Madeleine McCann, criança britânica desaparecida em maio de 2007, que estarão ausentes da sessão no Palácio da Justiça de Lisboa.

A juíza Emília Melo e Castro procede à comunicação dos factos que serão considerados para a sentença do processo, no qual Kate e Gerry McCann pedem uma indemnização de 1,2 milhões de euros ao ex-inspetor da Polícia Judiciária, por difamação e violação dos direitos, liberdades e garantias da família britânica.

Esta ação arrasta-se no tribunal há mais de cinco anos, com sucessivos adiamentos de sessões de julgamento e uma tentativa de acordo extrajudicial entre as partes, que não chegou a ser concretizada.

Em causa está o livro “Maddie: A Verdade da Mentira”, da autoria de Gonçalo Amaral, em que o ex-coordenador do Departamento de Investigação Criminal da Polícia Judiciária de Portimão defendeu a tese que os pais de Madeleine McCann estiveram envolvidos no desaparecimento e na ocultação do cadáver da criança.

Madeleine McCann desapareceu aos 4 anos no aldeamento turístico da Praia da Luz, no Algarve, onde a família se encontrava em férias.